Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2013 / 09 / 'Igreja cresceu obcecada pregando contra aborto e casamento gay', condena papa

Entrevista

'Igreja cresceu obcecada pregando contra aborto e casamento gay', condena papa

Segundo Francisco, Igreja Católioca deveria ser uma 'casa para todos' e não uma 'capela pequena' com foco na doutrina, na ortodoxia e em uma agenda de ensinamentos morais
por Carta Capital publicado 19/09/2013 16:43
Comments
Segundo Francisco, Igreja Católioca deveria ser uma 'casa para todos' e não uma 'capela pequena' com foco na doutrina, na ortodoxia e em uma agenda de ensinamentos morais
Claudio Peri/EFE
papafrancisco_EFE_Claudio-P.jpg

O papa diz que a Igreja tem de encontrar um "novo equilíbrio" para não correr o risco de ruir

São Paulo – Na primeira longa entrevista em seis meses de papado, o papa Francisco declarou que a Igreja Católica Romana cresceu “obcecada” pregando contra o aborto, casamento gay e contracepção, e que ele escolheu não falar desses assuntos apesar das críticas.

Falando em uma linguagem direta, Francisco mostrou estabelecer um novo tom para a Igreja, ao dizer que esta deveria ser uma “casa para todos” e não uma “capela pequena” com foco na doutrina, na ortodoxia e em uma agenda de ensinamentos morais.

“Não é preciso falar sobre esses temas o tempo todo”, disse Jorge Mario Bergoglio ao reverendo Antonio Spadaro, jesuíta e editor-chefe de La Civiltà Cattolica, publicação jesuíta cujo conteúdo é rotineiramente aprovado pelo Vaticano. “Os ensinamentos dogmáticos e morais da Igreja não são todos equivalentes. O ministério pastoral da Igreja não pode ser obcecado com a transmissão de uma multidão incoerente de doutrinas a serem impostas insistentemente.”

“Temos de encontrar um novo equilíbrio ou até mesmo o edifício moral da Igreja poderá cair como um castelo de cartas, perdendo o frescor e a fragrância do Evangelho.”

De acordo com o jornal norte-americano The New York Times, a entrevista foi conduzida em italiano ao longo de três encontros no mês de agosto na Casa Santa Marta, alojamento em que ficam os cardeais durante os conclaves.

Foi a primeira vez em que Francisco explicou os comentários que fez sobre homossexualidade em julho, a bordo de um avião, quando voltava para Roma do Rio de Janeiro, onde esteve para a Jornada Mundial da Juventude. “Se um gay procura Deus, quem sou eu para julgar?”, questionou. Na época, a frase provou polêmica e levou muitos a questionarem se ele se referia a gays no sacerdócio, mas nesta entrevista ele se fez claro ao dizer que se referia a homossexuais em geral.

“Uma vez uma pessoa me perguntou, de uma maneira provocativa, se eu aprovava a homossexualidade”, disse o papa ao padre Spadaro. “Eu respondi com outra questão: ‘Diga-me: quando Deus olha para uma pessoa, ele endossa a existência dessa pessoa com amor ou rejeita e condena essa pessoa?’ Devemos sempre considerar a pessoa.”

Além das declarações sobre a visão de Francisco em relação à homossexualidade, a entrevista também serviu apresentar um lado mais humano do pontífice, que disse amar o compositor Mozart, o escritor Fiodor Dostoevsky e o cineasta Federico Fellini, cujo seu filme favorito é La Strada.

comentários do blog alimentados pelo Disqus