Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2013 / 07 / Google, Facebook e Microsoft cobram transparência de Obama

Google, Facebook e Microsoft cobram transparência de Obama

Mais de 50 gigantes da internet enviaram carta prometendo revelar documentos se Washington não se pronunciar
por Opera Mundi publicado 18/07/2013 16h20, última modificação 18/07/2013 16h47
Mais de 50 gigantes da internet enviaram carta prometendo revelar documentos se Washington não se pronunciar
Shawn Thew/efe
obama

Gigantes da tecnologia digital aguardam resposta de Obama

São Paulo – Em raro momento de união no competitivo mercado da internet, mais de 50 empresas assinaram juntas ontem (17) uma carta para o presidente Barack Obama cobrando transparência do governo norte-americano no escândalo de espionagem. O grupo, que inclui Facebook, Google e Microsoft, também promete um comunicado conjunto para hoje (18).

A carta solicita a Washington uma série de medidas para que os usuários da internet tenham mais segurança com suas informações. Segundo o portal All Things Digital, caso o governo norte-americano não atenda à demanda, as empresas prometem revelar por elas mesmas dados da NSA (sigla em inglês para Agência Nacional de Segurança).

Todas as empresas, diz a imprensa dos EUA, querem fugir do estigma que colaboram com a administração Obama no sistema de vigilância. Na carta, também pedem a Obama permissão para publicar os documentos sobre os pedidos de acesso ao banco de dados feitos por Washington.Caso não sejam atendidos, prometem ir à justiça do país.

"Durante anos, estão sendo publicados informações básicas sobre como o governo utiliza as leis para autorizar uma investigação sem que haja nenhum interferência ou controle da Justiça. Queremos que as informações relacionadas à segurança nacional, a mesma que Washington nos solicita, seja colocada à disposição da população. Essa informação – de como é feito e de com que frequência o governo está utilizando os mecanismos legais – é importante para a sociedade", afirma a carta direcionada a Obama.