Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2013 / 04 / Coreia do Norte ameaça destruir o Japão e faz subir alerta para ataque nuclear

Coreia do Norte ameaça destruir o Japão e faz subir alerta para ataque nuclear

por Agência Brasil publicado 10/04/2013 11h15, última modificação 10/04/2013 11h20

Soldados norte-coreanos patrulham fronteira do país com vizinhos do sul, em mais um dia de ameaças de início de guerra (CC/Asitimes)

Brasília – Em editorial publicado hoje (10) no jornal do Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte, Rodong Sinmun, o governo norte-coreano ameaça transformar o Japão em um "campo de batalha", indicando a realização de  ataques às principais cidades -  Tóquio, Osaka e Quioto -, se houver eventuais ações por parte das autoridades japonesas.

No texto, o governo norte-coreano menciona a expressão "destruição" do Japão, caso as autoridades japonesas atuem “politicamente” contra a Coreia do Norte. "O Japão está perto do nosso território, portanto não poderá fugir aos nossos ataques", diz o editorial, que cita cinco cidades, nas quais vivem 127 milhões de japoneses. "Todo o território do arquipélago japonês se transformará em um campo de batalha".

De acordo com o editorial, o poder bélico da Coreia do Norte é incalculável. "O Exército da Coreia do Norte é absolutamente capaz de fazer 'ir pelos ares' as bases militares, não apenas no Japão, mas também em outras áreas da região da Ásia e do Pacífico".

O texto acrescenta que o atual regime japonês tem optado pelo risco militar, intensificando a política hostil contra a Coreia do Norte em linha com a política dura dos Estados Unidos de reprimir a força das armas. Os movimentos hostis por parte do Japão contra a Coreia do Norte só poderão resultar na sua autodestruição".

Alerta

O comando conjunto das Forças Armadas da Coreia do Sul e dos Estados Unidos elevou hoje em um nível seu sistema de alerta na Península Coreana em decorrência dos indícios de possíveis testes com mísseis por parte da Coreia do Norte. As tropas da Coreia do Sul e dos Estados Unidos alteraram o sistema denominado Watchcon 3 para Watchcon 2, algo que ocorre quando há ameaças consideradas graves.

O Exército da Coreia do Sul também está em alerta para supervisionar e analisar os últimos avanços nos preparativos norte-coreanos. A Coreia do Sul colocou navios com sistemas de intercessão de mísseis Aegis na Costa do Mar Amarelo e do Mar do Este, além de sistemas de radar de defesa, enquanto o Japão instalou sistemas antimíssil em Tóquio, a capital.

Pelas  imagens obtidas por satélite nos últimos dias, os especialistas preveem que a Coreia do Norte transportou mísseis de médio alcance para a Costa Leste e os posicionou em plataformas de lançamento.

De acordo com especialistas, os projéteis têm alcançe de 3 mil a 4 mil quilômetros, podendo atingir o Japão e bases norte-americanas nas Ilhas Guam, no Pacífico. A expectativa dos sul-coreanos é que os testes ocorram no próximo dia 15, quando haverá cerimônias em homenagem ao fundador da Coreia do Norte, Kim Il-sung, avô do atual líder Kim Jong-un.

G-8

As crises que atingem a Síria, há dois anos, e a Península Coreana, desde que a Coreia do Norte ameaçou deflagrar uma guerra nuclear, são os principais temas de dois dias de discussões dos ministros das Relações Exteriores dos países mais industrializados do mundo, o chamado G8 (Estados Unidos, Japão, Alemanha, Reino Unido, França, Itália, Canadá e Rússia), em Londres. As reuniões começam hoje.
O ministro dos Negócios Estrangeiros (Relações Exteriores) do Reino Unido, William Hague, disse que além dos conflitos em vários países, também serão debatidas questões de cibersegurança e de prevenção à violência sexual em áreas de guerra.

registrado em: ,