Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2013 / 04 / Capriles ridiculariza denúncia de Maduro sobre conspiração para matá-lo

Capriles ridiculariza denúncia de Maduro sobre conspiração para matá-lo

Governo venezuelano afirmou que setores da oposição estariam participando de um plano para tumultuar eleição
por Luciana Taddeo, do OperaMundi publicado , última modificação 07/04/2013 20h40
Governo venezuelano afirmou que setores da oposição estariam participando de um plano para tumultuar eleição

Caracas - O candidato opositor Henrique Capriles rebateu, hoje (07), a denúncia feita pelo presidente interino do país, Nicolás Maduro, da existência de um plano da oposição do país, em conjunto com mercenários de El Salvador, para assassiná-lo. “Não seja ridículo, menino”, afirmou Capriles, que reuniu centenas de milhares de pessoas no centro de Caracas para encerrar a campanha eleitoral.

O candidato da aliança opositora Mesa de Unidade Democrática (MUD) qualificou as palavras de Maduro de “pura história”, para depois lembrar que “há 10 dias disseram o mesmo sobre mim”, em referência a declaração do presidente interino sobre um plano da ultradireita norte-americana para matar Capriles. “O problema não é que matem Capriles, mas que estão matando o povo da Venezuela”, afirmou o governador de Miranda.

Neste final de semana, o governo venezuelano afirmou que setores da oposição estariam participando de um plano para criar tumultos nas eleições presidenciais do próximo dia 14 de abril. Segundo o chanceler Elias Jaua, existe uma conspiração entre mercenários da América Central que, em parceria com a oposição venezuelana, pretendem sabotar o processo eleitoral.

Em um discurso transmitido pela emissora de televisão pública VTV neste sábado (06/04), Maduro acusou a “direita salvadorenha” de ter enviado matadores de aluguel para assassiná-lo antes do pleito.”O objetivo deles é me matar, porque eles sabem que não podem vencer uma eleição livre e honesta”, disse Maduro. “E por trás disto estão Roger Noriega e Otto Reich”, afirmou, referindo-se aos embaixadores norte-americanos na Venezuela e na OEA (Organização dos Estados Americanos), respectivamente.