Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2012 / 10 / Gravidez por estupro é 'vontade de Deus', diz candidato republicano nos EUA

Gravidez por estupro é 'vontade de Deus', diz candidato republicano nos EUA

Para Richard Mourdock, aborto em casos de violência sexual 'desrespeita' a vontade divina
por Marina Mattar, do Opera Mundi publicado 24/10/2012 17h16, última modificação 24/10/2012 17h41
Para Richard Mourdock, aborto em casos de violência sexual 'desrespeita' a vontade divina

São Paulo – O candidato republicano ao Senado no estado de Indiana, Richard Mourdock, declarou ontem (23) que a gravidez resultante do estupro também faz parte do "desejo de Deus". A declaração, feita em um debate eleitoral, reacendeu a polêmica em torno das declarações do senador republicano Todd Akin sobre “estupro de verdade” e da posição antiaborto assumida pelo partido. 

Na reta final das eleições, os três candidatos norte-americanos que concorrem pela vaga em Indiana se encontraram para debater suas propostas políticas e responder perguntas de eleitores. Questionado sobre sua posição a respeito de aborto, o republicano concordou com os seus concorrentes – o democrata, Joe Donnelly, e o libertário, Andrew Horning – e reprovou a prática. 

Mourdock, no entanto, acrescentou que é contra a interrupção da gravidez até mesmo nos casos de violência sexual.

“A única exceção que eu faço para o aborto é no caso de a vida da mãe estar em risco”, explicou ele, citado pelo Huffington Post. “Eu pensei sobre isso por muito tempo, e eu vim a perceber que a vida é um presente de Deus. Acho que, mesmo quando a vida começa nessa situação horrível de estupro, é algo que Deus planejou para acontecer.”

O candidato republicano à presidência Mitt Romney se apressou para distanciar as declarações do candidato a senador de sua campanha eleitoral. “O governador Romney discorda dos comentários de Mourdock e eles não refletem a sua visão”, afirmou Andrea Saul, porta-voz da campanha.

A campanha democrata em Indiana aproveitou a oportunidade para criticar as posições “extremistas” de Murdock. “Eu acredito que o estupro é um crime odioso e violento em qualquer instância”, reiterou Donnely, em comunicado. “O Deus que eu acredito e que a maioria dos moradores de Indiana acredita não quer que o estupro aconteça – nunca. O que Murdock disse é chocante e desrespeitoso”, acrescentou citado pelo  Huffington Post.

“Indiana não pode permitir a eleição de um autoproclamado fanático do Tea Party como Richard Mourdock para o Senado”, disse Shripal Shah, porta-voz do comitê de campanha do Partido Democrata no estado. 

Volta atrás

Na tentativa de não provocar polêmica em plena disputa eleitoral, o candidato republicano reconsiderou sua declaração. “Deus cria a vida, esse era o meu ponto”, disse ele em comunicado. “Deus não quer o estupro, e de jeito nenhum, eu estou sugerindo isso. O estupro é uma coisa horrível e qualquer distorção das minhas palavras é absurdo e doente."

Não é a primeira vez que um candidato republicano provoca revolta por suas posições acerca do aborto no caso de violência sexual. No dia 19 de agosto, o senador republicano Todd Akin sugeriu que um estupro "de verdade" ("legitimate rape", em inglês) raramente resulta em gravidez e reiterou ser contra a interrupção da gravidez mesmo nestes casos.

A proposta de uma emenda constitucional proibindo o aborto sem exceções explícitas para casos de estupro ou incesto foi incluída, até mesmo, nas diretrizes políticas do Partido Republicano para as eleições deste ano. 

Enquanto autoridades republicanas salientam que a plataforma apresentada nesta terça permite adaptações nos estados por tratar de linhas gerais, a linguagem adotada na iniciativa antiaborto parece deixar pouco espaço para mudanças. O texto propõe a extensão dos direitos fundamentais do homem, garantidos pela 14ª emenda constitucional, às crianças que ainda não nasceram.  

“Nós reiteramos a santidade da vida e afirmamos que as crianças não nascidas tem um direito fundamental individual à vida, que não pode ser violado”, diz documento citado pela rede norte-americana CNN. Da forma como foi elaborada, a emenda constitucional dificulta a introdução de atenuantes ao aborto, como nos casos de estupro, incesto ou quando a gestação é prejudicial à saúde da mãe.

 
registrado em: ,