Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2011 / 11 / Manifestações em Nova York levam milhares às ruas

Manifestações em Nova York levam milhares às ruas

Pelo menos 300 pessoas foram presas durante a quinta-feira
por Redação da RBA publicado 18/11/2011 15h17, última modificação 18/11/2011 16h27
Pelo menos 300 pessoas foram presas durante a quinta-feira

O movimento é contra o atual sistema financeiro que beneficia apenas 1% da população (Foto: _PaulS_/Flick)

São Paulo - Mais de 300 pessoas foram presas durante os protestos em Nova York na quinta-feira (17). O chamado "Dia da Ação" marcou os dois meses da ocupação do Parque Zucotti pelo movimento Ocupe Wall Street.

De acordo com a polícia, mais de 30 mil pessoas foram às ruas e participaram das ações do movimento. À noite, milhares de manifestantes marcharam sobre a Ponte do Brooklyn, que liga o bairro ao centro financeiro de Nova York, com cartazes contra o atual sistema, que beneficiaria somente 1% da população, e pedindo mais educação, empregos e outras reivindicações. Entre eles, havia também pessoas convocadas pelos principais sindicatos da cidade. 

Em outubro, a Ponte do Brooklyn foi cenário de um grande enfrentamento entre policiais e manifestantes com mais de 700 pessoas presas.

Os protestos começaram com uma passeata até a Bolsa de Valores, onde vários manifestantes foram presos tentando passar pelas barreiras policiais das ruas do distrito financeira. Há denúncias de violência contra manifestantes e jornalistas. A polícia afirma que sete agentes foram feridos.

Em outras cidades americanas também houve protestos, como Los Angeles, Portland, Boston, Washington, entre outras. Grandes manifestações também aconteceram pelo mundo, a exemplo da Grécia, Itália e Reino Unido.

Na madrugada de terça-feira (15), a polícia removeu o acampamento no Parque Zucotti de forma truculenta. Um juiz da Suprema Corte do estado autorizou que os protestos no parque, mas proibiu a montagem de um novo acampamento. O prefeito, Michael Bloomberg, alegou que a ocupação do parque era uma ameaça à saúde pública. 

Com informações do Opera Mundi