Você está aqui: Página Inicial / Esportes / 2013 / 04 / Governo do Rio se contradiz sobre necessidade de demolições no Maracanã

Governo do Rio se contradiz sobre necessidade de demolições no Maracanã

Chefe da Casa Civil afirma que evacuação do estádio em oito minutos, exigida pela Fifa, não é imprescindível e admite 'opção ideológica' na privatização, que começa nesta quinta e é contestada
por Maurício Thuswohl, da RBA publicado , última modificação 10/04/2013 19h52
Chefe da Casa Civil afirma que evacuação do estádio em oito minutos, exigida pela Fifa, não é imprescindível e admite 'opção ideológica' na privatização, que começa nesta quinta e é contestada

Trabalhadores finalizam obras de reforma do Maracanã, palco da Copa das Confederações e da Copa-2014 (Foto: Rafael Ribeiro/Agif/Folhapress)

Rio de Janeiro – Em uma concorrida entrevista coletiva durante a qual esteve sozinho perante dezenas de jornalistas para falar sobre o processo de concessão do complexo esportivo do Maracanã à iniciativa privada, o secretário estadual da Casa Civil, Régis Fichtner, acabou caindo em contradição hoje (10) ao afirmar que as demolições previstas no projeto não são realmente necessárias para que se cumpra a exigência feita pela Fifa de evacuação do estádio em um tempo máximo de oito minutos. A coletiva foi convocada por Fichtner após o Ministério Público Federal e o Ministério Público Estadual darem entrada em ação que pede a suspensão do processo licitatório que será iniciado amanhã (11).

Sobre a concessão da gestão do Maracanã pelos próximos 35 anos, contestada na Justiça e também pelos movimentos sociais, o secretário afirmou se tratar de “uma opção ideológica do atual governo”. Fichtner também negou que haja favorecimento do governo à empresa IMX, do empresário Eike Batista, autora do estudo técnico que baseia o projeto de concessão e considerada favorita no processo licitatório.

Ao ser indagado se a não realização das demolições do estádio de atletismo Célio de Barros, do parque Aquático Júlio Delamare e da Escola Municipal Friedenreich antes da Copa das Confederações iria contrariar as exigências da Fifa para o torneio que será realizado em julho, Fichtner respondeu que o governo as cumprirá “com certeza”: “Vamos evacuar o público, mas não da maneira que a gente acha que é a melhor. Vamos ter que encontrar outras formas de o público sair no tempo previsto pela Fifa, mas isso será feito”, disse.

Confrontado à sua contradição pelos jornalistas, já que o governo – e o próprio governador Sérgio Cabral – já havia afirmado inúmeras vezes nos últimos meses que as demolições em torno do Maracanã somente seriam realizadas para garantir a mobilidade do público e uma maior rapidez no esvaziamento do estádio, Fichtner deu nova forma à versão oficial: “Vamos fazer as demolições porque o complexo do Maracanã precisa, para sua sustentabilidade e para o conforto do público, que a gente construa estacionamentos e áreas de lazer em todo o seu entorno. Facilitar a mobilidade e a evacuação não é o único motivo. Mesmo que não tivesse a exigência de evacuação, nós faríamos [as demolições] porque queremos dar ao complexo do Maracanã uma nova conformação.”

Fichtner disse que “a opção pelas demolições é do governo do estado, não só para a Copa do Mundo, mas também para a gestão do estádio daqui pra diante, para os jogos dos campeonatos carioca e brasileiro e para os jogos da Seleção”. O secretário defendeu as demolições. “Uma deficiência do Maracanã é não ter um lugar legal para estacionar carros, e eu preciso abrir espaço para isso. Eu quero construir um museu do futebol de padrão internacional e preciso de espaço para isso. Quero dar ao torcedor o conforto de poder frequentar antes ou depois do jogo um lugar que ele possa frequentar, um bar e uma loja onde ele possa comprar alguma coisa e curtir com a família. Por isso o governo do estado decidiu abrir espaço no Maracanã retirando dali de dentro o Célio de Barros e o Júlio Delamare. A única exigência da Fifa é evacuar o estádio em oito minutos”, disse.

O chefe da Casa Civil do governo estadual afirmou ainda que o poder púbico não teria condições de administrar o Maracanã. “O governo optou pela concessão do Maracanã porque nós vamos ter um estádio a partir de agora com um alto nível de complexidade tecnológica, com necessidades de manutenção de placares eletrônicos, com um campo de última geração e toda a infraestrutura lógica. O Maracanã será todo controlado a partir de uma única sala de controle e estará novinho. Não é possível ao Estado gerir esse complexo de entretenimento com padrões internacionais de conforto para o público, com serviços de primeira linha, e com a manutenção e atração de grandes espetáculos, sejam de futebol ou shows”, disse.

Fichtner criticou a ação do Ministério Público: “O MP não foi criado para interferir em critérios de conveniência e oportunidade do administrador. Se o procurador acha que o Maracanã deva ser administrado pelo próprio Estado e é contra que ele seja operado por um particular, isso é posição ideológica dele, mas não dá fundamento para tentar impedir essa licitação, pois decidir sobre critérios de conveniência e oportunidade é prerrogativa do governador, que foi eleito para isso.”

A concessão à iniciativa privada, segundo o secretário, é a opção ideológica do governo: “Manter o Maracanã como ele era há 50 anos não é uma opção ideológica do atual governo do Rio de Janeiro, que quer transformar o Maracanã em um complexo de entretenimento de padrão internacional. Não achamos que o Estado tenha condições nem que seja dever do estado administrar um complexo de entretenimento.”

Fichtner contestou ainda que o processo esteja beneficiando a empresa de Eike Batista, como também acusa o MP. “Essa afirmação deixa o governo indignado. Não houve de jeito nenhum informação privilegiada à IMX”, disse, acrescentando não haver irregularidade do no fato de a empresa ter feito o estudo técnico e ainda participar da licitação: “Isso é da natureza desse tipo de licitação que envolve uma Parceria Público-Privada (PPP) e também acontece em outros estádios da Copa”, disse.

O governo informa que 21 empresas participaram da vistoria técnica ao Maracanã e, por isso, estão habilitadas a participar da licitação. O vencedor do processo licitatório será conhecido em duas semanas.