Você está aqui: Página Inicial / Esportes / 2013 / 03 / Rio terá nova manifestação neste sábado contra privatização do Maracanã

Rio terá nova manifestação neste sábado contra privatização do Maracanã

Ato ocorre após Câmara dos Vereadores rejeitar proposta que previa o tombamento do prédio do antigo Museu do Índio
por Maurício Thuswohl, da RBA publicado , última modificação 15/03/2013 19h31
Ato ocorre após Câmara dos Vereadores rejeitar proposta que previa o tombamento do prédio do antigo Museu do Índio

Enquanto a Câmara dos Vereadores rejeita o tombamento do Museu do Índio (foto), mantém os vetos de Paes em torno da Copa (Foto: Tânia Rego. Agência Brasil)

Rio de Janeiro – Um ato público convocado para amanhã (15) pelo Comitê Popular da Copa irá protestar contra o processo de concessão da administração do Maracanã à iniciativa privada. Mais uma vez, diversas entidades representativas dos movimentos sociais do Rio de Janeiro pedirão que não sejam demolidos o estádio de atletismo Célio de Barros e o parque aquático Julio Delamare, como está previsto no projeto aprovado pelo governo e a prefeitura do Rio. A concentração está marcada para as 10h na Praça Saens Peña, na Tijuca, na zona norte. Em seguida, os manifestantes seguirão em passeata até a porta do Maracanã.

Outro objetivo da manifestação será pedir a preservação do prédio do antigo Museu do Índio. Na quarta-feira (13), o projeto de tombamento do espaço para futura instalação do Centro Cultural Indígena foi derrotado em votação apertada (17 votos a 13) na Câmara dos Vereadores. Isso abre caminho para a retirada dos indígenas que atualmente ocupam o terreno, onde há sete anos foi instalada a Aldeia Maracanã. O prefeito Eduardo Paes (PMDB) já se comprometeu com a preservação do prédio, mas pretende criar ali o futuro Museu Olímpico.

Um dos organizadores do ato, o vereador Renato Cinco (PSOL) pede mais transparência às autoridades públicas: “A população precisa perguntar para o prefeito e para o governador se o legado da Copa e dos Jogos Olímpicos só vai beneficiar os empreiteiros e os financiadores das campanhas eleitorais. É uma vergonha que a Câmara aceite que o legado seja a destruição da Escola Friedenreich, da Aldeia Maracanã, do Célio de Barros e do Julio Delamare. O futebol faz parte da paixão do carioca e tenho certeza que o povo não vai perdoar aqueles que apoiaram a privatização do Complexo do Maracanã”, diz.

No mesmo dia em que rejeitaram a proposta de tombamento do Museu do Índio, os vereadores cariocas, em votação unânime, mantiveram os vetos feitos por Paes às emendas apresentadas na Câmara ao Pacote Olímpico. Feitas em dezembro do ano passado, ao apagar das luzes da legislatura municipal anterior, as emendas valorizavam em cerca de R$ 4 bilhões as propriedades localizadas em torno do futuro Parque Olímpico que será construído na Barra da Tijuca.

Agora, com a manutenção dos vetos e a derrubada da proposta de tombamento do Museu do Índio, os únicos obstáculos a serem enfrentados por governo estadual e prefeitura para implementar seus projetos relativos à Copa e à Olimpíada serão mesmo as manifestações populares.