Você está aqui: Página Inicial / Cultura / 2018 / 06 / Série reflete sobre as jornadas de junho pelo olhar de midiativistas

Comunicação popular

Série reflete sobre as jornadas de junho pelo olhar de midiativistas

Cinco episódios de 'Desde Junho', de Julia Mariano, serão lançados nesta quarta. Por meio de entrevistas e imagens de ativistas, série analisa os desdobramentos das manifestações e o papel da mídia
por Xandra Stefanel, especial para RBA publicado 09/06/2018 17h51, última modificação 12/06/2018 07h50
Cinco episódios de 'Desde Junho', de Julia Mariano, serão lançados nesta quarta. Por meio de entrevistas e imagens de ativistas, série analisa os desdobramentos das manifestações e o papel da mídia
Fernando Frazão/ Agência Brasil
Amarildo

O barulho das ruas fez com que a grande imprensa não pudesse mais ignorar o desaparecimento do ajudante de pedreiro Amarildo Dias de Souza, do Rio de Janeiro

Em junho de 2013, as ruas do país começaram a fervilhar com consecutivas e numerosas manifestações. No início, suas pautas pareciam trazer reivindicações mais à esquerda, mas o cenário foi ficando cada vez mais confuso, e logo os atores sociais começaram a mostrar suas armas. A mais potente de todas – e talvez a mais decisiva nesta batalha – foi a grande imprensa. Do outro lado da trincheira, movimentos sociais eram vistos e ouvidos graças à atuação dos midiativistas, que se arriscavam e se desdobravam para registrar o que os grandes grupos de comunicação insistiam e ainda insistem em esconder.

É exatamente a atuação desses novos atores midiáticos o tema central da série documental Desde Junho, da diretora Julia Mariano, que será lançado nesta quarta-feira (13) no site www.desdejunho.org e em sessões especiais realizadas na Cinemateca do Museu de Arte Moderna (MAM), no Rio de Janeiro, e em várias cidades do Brasil e do mundo. Dividida em cinco episódios de 26 minutos, a série se debruça na experiência do midiativismo e no surgimento de novas tecnologias de comunicação, além de abordar como a mídia livre de certo modo inaugurou esta nova forma de o cidadão se relacionar com a informação que produz e consome.

A diretora, que atuou intensamente como midiativista no Rio entre 2013 e 2014, resolveu em 2015 resgatar imagens de manifestações, ocupações, assembleias e greves na rede e começou a analisar os diferentes olhares registrados e difundidos sobre 2013 na internet. Ao rever as imagens de forma dispersa e desorganizada, Julia passou a se questionar sobre as narrativas possíveis sobre as jornadas de junho. Foi quando decidiu participar de um edital de produção audiovisual do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), BRDE e a rede pública de televisão EBC.

Este fomento tinha como finalidade renovar a programação da TV pública e a série foi concebida e realizada com esse objetivo: construir uma outra narrativa possível de 2013 para ser exibida em TV aberta e pública. Porém, após o golpe de Temer e seu grupo, a série foi engavetada pela EBC. Entregamos os cinco episódios prontos para exibição em junho de 2017, mas apenas recentemente a série foi ao ar, já no final do tempo de contrato, e apenas em dois canais: TVE Bahia e TV Brasil (RJ), sendo que no Rio de Janeiro o horário de exibição foi 3:15 da manhã, num claro movimento de censura velada”, contou Julia Mariano por e-mail.

Esse engavetamento nos impulsionou a construir um lançamento da série online, organizando exibições em diversas cidades do Brasil e do mundo, propondo exibições com debates, num movimento de fomentar, junto com a difusão da série, novas reflexões sobre 2013 e possibilidades de ampliação da leitura do nosso momento político atual. Dia 13 de junho de 2018, quando se completam cinco anos do início dos intensos protestos de 2013, vamos lançar a série online e também na Cinemateca do MAM no Rio de Janeiro e em diversas cidades, como São Paulo, Brasília, Samambaia, Ceilândia, Recife, Cartagena (Colômbia), Santiago (Chile), Buenos Aires (Argentina), San Antônio de Los Baños (Cuba) e Montreal (Canadá)”, detalha a diretora. Os locais e horários de exibição serão informados no site da série.

Desde Junho

Da rede para as ruas. E vice-versa

Notícias falsas, ódio, intolerância, descontrole… A internet se mostrou um ambiente extremamente hostil nos últimos anos. A professora da Universidade Estadual Paulista (Unesp) Esther Solano afirma em um dos episódios que a mesma rede que espalha as chamadas fake news, tornou-se um importante instrumento democrático. “A Primavera Árabe foi organizada pela internet. Então, você tem uma plataforma que pode ser muito bem um instrumento democrático muito poderoso. Por outro lado, o que vemos acontecendo no Brasil, sobretudo neste último período, 2014, 2015, 2016, é que (…) o Facebook é a principal ferramenta pela qual a população está se mobilizando, tanto a esquerda quanto a direita. Mas o Facebook atua como uma bolha ideológica, como um gueto ideológico: só compartilha e recebe informação daquele que pensa como você.”

Por outro lado, a comunicação produzida pelos midiativistas furou barreiras da imprensa “comercial”, que foi obrigada, por exemplo, a levar ao grande público temas geralmente negligenciados, como é o caso do desaparecimento do ajudante de pedreiro Amarildo Dias de Souza, pela polícia no Rio, como relembra a série. Os episódios reforçam esta importante maneira de combater o monopólio da comunicação e deixa claro que é preciso ir além. “Para a gente conseguir de fato ter uma vitória efetiva na linha da democratização da informação, a gente precisa incluir as grandes redes de concessão pública de televisão e também os grandes monopólios de redes sociais que pegam essa grande riqueza que é a internet e transformam em um 'cercadinho' privado de seus interesses e patrocinadores dos seus lucros privados”, declara Daniela Fichino, da ONG de direitos humanos Justiça Global.

Julia Mariano afirma que há muita disputa a ser feita. Prova disso é a censura velada da qual sua série foi vítima e a impossibilidade de lançar novas temporadas que reflitam sobre a situação política e social do país a partir da comunicação. “Infelizmente não há previsão de outras temporadas, não descarto a possibilidade, mas as novas regras do Ministério da Cultura e da Ancine dificultam em muito o acesso a fomento e patrocínio para produtores independentes de pequeno porte, que é o meu caso. Há uma mudança drástica em curso que visa, abertamente, direcionar a maior parte dos recursos financeiros para produções comerciais de grandes produtoras, apostando nos grandes 'players' e em filmes 'comerciais'. Política que destoa completamente da anterior, que fomentava a capilarização e desregionalização dos recursos. Essa nova política cultural está alinhada à lógica do governo golpista, de 'restituir' o poder a quem sempre o teve. E tendo em vista a censura velada sofrida pela Desde Junho, dentro da rede EBC, fica claro pra mim que pontos de vista como o que defendo na série não são interessantes, muito menos fomentados, pelo atual governo brasileiro”, lamenta.

Por outro lado, é exatamente por essas as razões que Julia insiste que não se pode deixar paralisar. “2013 é o tabu do golpe. Muitas pessoas relacionam as jornadas de junho ao crescimento da direita e ao estopim do processo de impeachment. Eu tento extrapolar um pouco essa leitura de junho de 13. Sem dúvida, esquerda e direita compartilharam a rua naquele ano e logo a disputa tanto nas ruas quanto nas redes, se acirrou. A pergunta é por que a esquerda recuou da rua depois disso? Como a repressão policial e a perseguição midiática a ativistas ajudou nesse recuo? E como a produção de (contra) informação se firma como um potente campo de disputa? Refletir sobre o processo a partir da disputa de sentidos, do que já se construiu e desconstruiu desde 2013, revela que a crise segue sendo a mesma: a da representatividade política. Temer é ainda mais impopular do que Dilma. A descrença na política é avassaladora. Mas defendo que a direita não 'venceu' como muitos afirmam. Ela sim 'saiu do armário', e isso assusta, mas por outro lado penso que é importante saber que vivemos em um país conservador, extremamente repressor e autoritário. Isso é o Brasil. Um país onde a cada 23 minutos se mata um jovem negro, um país onde a expectativa de vida de transsexuais não ultrapassa os 35 anos e onde mais se mata ambientalista no mundo! Esse processo da crise deixou isso em evidência, e temos que saber responder a isso. Não podemos nos quedar paralisados. A instabilidade política atual é preocupante, sem dúvida. Mas ainda há disputa a ser feita.”