Você está aqui: Página Inicial / Cultura / 2018 / 05 / Artistas cobram do MinC gesto que afaste perseguição política a diretor de 'Aquarius'

Perseguição?

Artistas cobram do MinC gesto que afaste perseguição política a diretor de 'Aquarius'

“Assumo resignado a posição de um cidadão que precisa defender-se de acusações injustas", afirma Kleber Mendonça Filho, após receber "cobrança" de Ministério da Cultura
por Redação RBA publicado 30/05/2018 16h36, última modificação 30/05/2018 17h06
“Assumo resignado a posição de um cidadão que precisa defender-se de acusações injustas", afirma Kleber Mendonça Filho, após receber "cobrança" de Ministério da Cultura
Reprodução/O Som ao Redor
O som ao redor

Cena do filme O Som ao Redor, considerado pela crítica um dos melhores do cinema brasileiro nos últimos anos

São Paulo – Uma cobrança do Ministério da Cultura (MinC) para que o cineasta Kleber Mendonça Filho devolva R$ 2,1 milhões por ter ultrapassado o limite de captação do longa metragem O Som ao Redor causou suspeita de perseguição política. O cineasta pernambucano é também diretor do filme Aquarius e ganhou visibilidade, em maio de 2016, ao denunciar no Festival de Cannes, junto com integrantes do elenco, o golpe contra a ex-presidenta Dilma Rousseff.

Segundo o MinC, comandado pelo ministro Sérgio Sá Leitão, Kleber Mendonça Filho superou o limite de captação de R$ 1,3 milhão, estabelecido no edital de 2009 do Concurso de Apoio à Produção de Longas Metragens de Baixo Orçamento.

MATHILDE PETIT/FDC Aquarius em Cannes
Governo que deu o golpe de 2016 nunca engoliu protesto da equipe de 'Aquarius' em Cannes

No último dia 29 de março, Kleber Mendonça Filho estava em pleno sertão do Seridó, no Rio Grande do Norte, trabalhando nas filmagens de Bacurau, seu novo filme, quando recebeu e-mail do ministério informando que deveria devolver os recursos relativos ao filme, realizado em 2010. Em 2013, o próprio MinC indicou o primeiro longa metragem do cineasta para representar o Brasil no Oscar.

“A carta por nós recebida do MinC sugere uma punição inédita no Cinema Brasileiro e que nos pareceria mais adequada a produtores que não teriam sequer apresentado um produto finalizado, e isso após algum tempo de diálogo”, afirma o cineasta, em Carta Aberta publicada nesta terça-feira (29) em rede social.  

No texto, Kléber Mendonça nega qualquer irregularidade. Ele explica que o custo final do longa O Som ao Redor foi de R$ 1,7 milhão, com o recurso complementar de R$ 410 mil tendo sido captado por meio do Edital de Audiovisual do Funcultura, edital estadual de Pernambuco. O diretor argumenta que o valor “foi devidamente declarado e autorizado pela ANCINE, após comunicação entre as duas instituições (Ancine e Secretaria do Audiovisual). São informações públicas e declaradas, já há oito anos”.

“Nosso consultor jurídico à época levou à Coordenação de Editais da Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura a dúvida sobre recursos não-federais. A SAV afirmou, via email oficial, que a captação de recursos não-federais (no nosso caso, o Funcultura pernambucano) NÃO VIOLARIA os limitadores dispostos no edital de Baixo Orçamento em questão. Essa resposta está documentada (“Sim, o edital só veta recursos federais acima de R$ 300 mil.”). Nós nunca faríamos alteração de orçamento sem o acompanhamento das agências responsáveis, elas próprias regidas por regras internas duras”, explica o cineasta, também diretor do longa metragem Aquarius.

“Pergunto ao senhor se houve comunicação entre o MinC e a Ancine para tentar esclarecer essa questão institucional que não deveria ser transformada numa punição inadequada para os produtores de um filme exemplar”, questiona Kléber Mendonça. Ao dizer que O Som ao Redor, em câmbio corrigido, custou 465 mil dólares, ele ainda afirma que o Ministério da Cultura “deveria premiar produtores que fazem tanto e que vão tão longe com orçamento de cinema tão reconhecidamente enxuto”.

Na Carta Aberta, o cineasta diz ter tentado agendar, sem sucesso, uma reunião com o ministro Sá Leitão para discutir o imbróglio. Kleber Mendonça ainda faz referência ao momento difícil do país, onde acusações contra a classe artística têm sido frequentes. “Assumo resignado uma posição habitual demais no nosso país, a de um cidadão que precisa defender-se de acusações injustas”.

Apoio

Como forma de solidariedade e denúncia da possível perseguição política, o ator Wagner Moura criou nesta terça-feira (29) um abaixo-assinado de apoio ao diretor pernambucano.  

"Como fica impactada a produção cultural brasileira atual, com sentimento de vulnerabilidade incompatível com um pensamento democrático, a partir de um incidente como este?", questiona, "como um barulho ensurdecedor ao redor", o abaixo-assinado.

"Esperamos que o Ministro da Cultura receba em audiência o diretor Kleber Mendonça Filho para estabelecimento do diálogo respeitoso e a reversão administrativa dessa multa infundada e injusta afastando, dessa forma, qualquer sombra autoritária de perseguição política ou de atentado à liberdade de pensamento e expressão", diz o texto, que tem a adesão inicial de mais de 70 pessoas da classe artística brasileira.