Você está aqui: Página Inicial / Cultura / 2017 / 05 / 'Conseguiram tirar meu pai do cenário político', afirma Miruna Genoino

Felicidade fechada

'Conseguiram tirar meu pai do cenário político', afirma Miruna Genoino

Após debate no Barão de Itararé, filha do ex-presidente do PT José Genoino lança livro que "reconta" a história. "Além de julgá-lo antecipadamente, nenhum respeito foi dado à família", disse a autora
por Redação RBA publicado 18/05/2017 12h28, última modificação 19/05/2017 10h31
Após debate no Barão de Itararé, filha do ex-presidente do PT José Genoino lança livro que "reconta" a história. "Além de julgá-lo antecipadamente, nenhum respeito foi dado à família", disse a autora
Reprodução/TVPA
Miruna Genoino

"A gente precisa estar atenta para o modo como a mídia julga as pessoas antes do processo", disse Miruna

São Paulo – A filha do ex-deputado e ex-presidente do PT José Genoino, Miruna, lançou na noite de ontem (17) o livro Felicidade fechada, após o debate “O linchamento midiático no Brasil”, realizado no Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, em São Paulo. Pedagoga, ela dividiu a mesa com os jornalistas Paulo Moreira Leite e Maria Inês Nassif. Genoino assistiu ao debate na plateia.

Miruna destaca dois aspectos de Felicidade fechada: o livro reconta a história do pai, condenado antecipadamente pela mídia tradicional antes mesmo de ser julgado no âmbito da Ação Penal 470, o chamado “mensalão”, e fala das angústias e sofrimento das pessoas da família de uma pessoa colocada na situação do petista.

Toda a experiência, diz a autora, mostra no contexto de hoje, quando o “linchamento” midiático continua a avançar no país, “que a gente precisa estar atenta para o modo como a mídia julga as pessoas antes que o processo aconteça”.

Ela conta que a realização do livro mostrou a força de outros canais além da “grande imprensa”. A ideia da obra começou a se concretizar a partir de uma simples postagem no facebook. “Os amigos compartilhavam e com isso eu conseguia contar coisas diferentes do que era veiculado.”

Já do lado da mídia comercial, a história de José Genoino é anterior e bem diferente daquela que ela e a família conseguiram disseminar pelas redes sociais. A versão bombardeada por jornais, revistas e televisão, com destaque para a Rede Globo, desencadeou o massacre da reputação e a condenação antecipada, desfecho semelhante a de outros políticos, como José Dirceu.

“Meu pai foi condenado sem provas antes até do julgamento, quando decidiram transmitir o julgamento pela televisão”, disse Miruna à RBA. “Com isso, conseguiram tirá-lo do cenário político. Além de julgá-lo antecipadamente, nenhum respeito foi dado à família. Existe uma família por trás. Todas as pessoas, culpadas ou inocentes, como meu pai, merecem respeito.” Para ela, o ex-presidente do PT “poderia estar fazendo muita coisa hoje”.

Depois de todo o processo, Miruna avalia que Genoino, ao final, e com a publicação do livro, se saiu fortalecido. “Mas teve que sair da política.”

No debate, ela contou que a família passou por dois momentos: o das denúncias e o dos julgamentos. “O momento das denúncias foi muito mais difícil, a gente se sentiu sozinho, os amigos se afastaram, e a mídia alternativa não chegava com a força que chega hoje. A gente não tinha canal. O canal era o e-mail.”

Com a expansão das redes sociais, o apoio cresceu. “As coisas mudaram bastante do ponto de vista do apoio. A gente continuou sofrendo linchamento, mas se fortaleceu e abriram outros espaços para encontrar apoio.”

A conclusão, diz Miruna, é que a luta pela verdade compensa. “Apesar do linchamento midiático da grande mídia, vale a pena cavar espaços para recontar e contar outra história. Conseguimos esse espaço falando a verdade e utilizando a palavra escrita. Fruto da minha veia de educadora”, contou.

Moro e inquérito militar

Para Maria Inês Nassif, o livro faz pensar na responsabilidade sobre a vida das pessoas e o que o jornalismo pode provocar nesse sentido. Por isso, disse, nunca pensou em ser jornalista investigativa. “O que aconteceria com as pessoas se eu estivesse errado?”

Maria Inês citou o famoso caso da Escola Base (1994) como paradigmático da destruição que o jornalismo pode provocar na família das pessoas. A intenção política por trás da atual onda de denúncias mostra que “a gente aprendeu pouco com a história”. Ela lembra que, como hoje, o udenismo e o lacerdismo (referência ao empresário e político Carlos Lacerda) “foram parte da estratégia de negação da política para derrubar um governo”. Para isso, é necessário destruir reputações. “A justiça do (Sérgio) Moro nada mais é do que um inquérito policial militar. Em nada difere. Os opositores vão sendo derrubados um a um.”

Para Paulo Moreira Leite, “hoje estamos vendo uma situação de linchamento de consciências, de direitos e de nossa história”.