Você está aqui: Página Inicial / Cultura / 2017 / 02 / Sem preconceitos, fotógrafos revelam o lado invisível das periferias de São Paulo

Outro olhar

Sem preconceitos, fotógrafos revelam o lado invisível das periferias de São Paulo

Coletivo DiCampana reúne profissionais que se cansaram de ver apenas as cenas de violência e pobreza retratarem o cotidiano dos bairros periféricos na mídia
por Redação RBA publicado 15/02/2017 18h26, última modificação 15/02/2017 18h27
Coletivo DiCampana reúne profissionais que se cansaram de ver apenas as cenas de violência e pobreza retratarem o cotidiano dos bairros periféricos na mídia
Coletivo DiCampana
Bloco do Beco

Desfile do Bloco do Beco, do Jd. São Luiz, zona sul de São Paulo, no dia 6 de fevereiro

São Paulo – Incomodados por sempre verem os estereótipos de pobreza e violência retratarem a periferia na mídia, cinco jovens fotógrafos decidiram criar, em novembro de 2016, o coletivo DiCampana, com a missão de revelar o cotidiano da periferia paulistana por meio de um outro olhar. “A partir do momento em que a gente vê que pode mostrar outro ponto de vista, mais introspectivo, começamos a questionar isso que está sendo exposto há tempos”, explicou José Cícero da Silva, um dos fundadores do coletivo, em entrevista recente para a TVT, ressaltando que todos os fotógrafos são profissionais, autodidatas e moradores da periferia.

Segundo ele, a ideia é fotografar o cotidiano das periferias, a rotina do trabalhador, “a juventude saudável” brincando, pessoas que não costumam aparecer. Para José Cícero, o estereótipo de pobreza e violência causa um prejuízo “incalculável” na imagem dos moradores desses bairros.

Em pouco tempo de existência, o coletivo DiCampana já registrou o dia a dia de oito bairros da capital paulista: Jardim Ângela, Monte Azul, Jardim São Luís, Capão Redondo, Campo Limpo, Jardim Maria Sampaio, Jardim Piracuama e Brasilândia.

Surpreendidos pelo interesse que o projeto despertou em alguns veículos de mídia alternativa, os fotógrafos decidiram compor um banco de imagem e oferecer as fotos produzidas no Flickr e na página do grupo no Facebook. “Pra gente é um privilégio. Não sabíamos que havia uma demanda tão grande dessas imagens.”

Por ser um projeto independente e muito recente, explica o fundador do coletivo, os fotógrafos ainda não obtêm nenhum ganho financeiro com ele, situação que não os impede de já almejar levar suas lentes para retratar o cotidiano de periferias de outros estados do país.

“À medida que a produção vai aumentando e vamos conhecendo outras pessoas, queremos muito cobrir outros lugares, como no Rio de Janeiro, mas também fora do eixo Rio-São Paulo”, disse José Cícero, citando, como exemplo, a cidade de Natal, foco da mídia nesse começo de ano em função da crise carcerária.      

Coletivo DiCampana Bloco Afro Di Santo
É tempo de festa no Bloco Afro Di Santo, no M'Boi Mirim, zona sul de São Paulo
  

Léu Britto/Coletivo DiCampana Jardim Celeste
A molecada também brinca nos becos do Jardim Celeste

José Cícero da Silva/Coletivo DiCampana Jardim São Luís
Jardim São Luís, zona sul de São Paulo, em uma noite de novembro de 2016