Você está aqui: Página Inicial / Cultura / 2016 / 01 / Quando as classes menos favorecidas querem estudar Música na USP

Cinema nacional

Quando as classes menos favorecidas querem estudar Música na USP

"Invasores", novo filme de Marcelo Toledo, trata sobre o preconceito sofrido por Claudia, uma garota da periferia de São Paulo que não tem acesso a um piano para estudar para a prova prática do vestibular
por Xandra Stefanel, especial para RBA publicado 21/01/2016 09:27
Comments
"Invasores", novo filme de Marcelo Toledo, trata sobre o preconceito sofrido por Claudia, uma garota da periferia de São Paulo que não tem acesso a um piano para estudar para a prova prática do vestibular
Divulgação
Invasores

Claudia venceu a 1ª etapa do acesso ao curso de Música da USP, mas não tem piano para estudar para prova de aptidão

Divulgação Claudia
Além do preconceito vindo das classes mais altas, Claudia também enfrenta o julgamento dos amigos e da família

Claudia (Emanuela Fontes) é uma descendente de bolivianos moradores na periferia da capital paulista. O desejo de se tornar uma pianista nasceu quando conheceu o instrumento em um programa de musicalização para jovens sem recursos. Com ótimas notas, ela passou a receber uma bolsa para estudar em um cursinho popular, onde foi estimulada a lutar pelo seu sonho.

O problema é que para ser aceita no curso de Música da Universidade de São Paulo, Claudia tem de estudar para a prova de aptidão. Precisa ter acesso a um piano. Esse é o mote do longa-metragem Invasores, de Marcelo Toledo, que estreia nesta quinta-feira (21), às 20h30, no Cine Caixa Belas Artes. A sessão será seguida de debate com a presença do diretor e dos atores.

Vinda de uma família de origem pobre, Claudia não conhece ninguém que tenha em casa um piano, por isso decide pedir emprestada a sala da instituição cultural da qual fazia parte. O diálogo entre a jovem e a responsável pela área de música é uma das cenas mais desconcertantes e desconfortáveis do filme. Quando a menina conta que vai prestar vestibular para Música na USP, a reação de Priscila é positiva, mas quando diz que precisa de um piano para estudar para a prova prática, recebe um banho de água fria:

Priscila: “Claudinha, como é que eu vou te explicar isso? Você fez uma escolha complicada…”

Claudia: “Eu fiz uma escolha complicada? Sério?”

Priscila: “Você não acha?”

Claudia: “É, mais complicada do que a sua. Quer dizer, você vive disso, né, de música. Eu adoraria ter um emprego como o seu, fixo, e roupinha cara”.

O que Priscila quer dizer é que estudar Música em uma universidade como a USP não é para pessoas pobres como Claudia, que não tem piano em casa, não conhece ninguém que tenha e tampouco pode pagar para fazer aulas e treinar. Por isso, a escolha é complicada. Não haveria estranhamento caso a garota decidisse trabalhar em uma tecelagem, como sua mãe sugeriu.

O conflito de Invasores poderia até lembrar o do premiado Que Horas Ela Volta, de Anna Muylaerte, em que a filha da faxineira pobre conquista uma vaga na disputada Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, da USP. Mas não. Nessa ficção de Toledo, além do preconceito de classe, a protagonista também enfrenta o julgamento de seus amigos e da família. É como se o simples fato de querer se dedicar à música fizesse de Claudia uma pessoa esnobe, que se acha melhor do que os outros.

O gesto de apoio só vem de seu namorado Nilson (Maxwell Nascimento), que faz parte de um grupo que invade prédios públicos para pichar, numa espécie de protesto contra a sociedade burguesa. É, aliás, dessa maneira que ele passa a ajudar sua namorada: sempre à noite ou aos finais de semana, eles invadem escolas de música e centros culturais onde Claudia pode tocar piano. Um tipo arriscado de ajuda, que pode trazer novos problemas.

O filme provoca a questão: quem é invasor nesta história, o grupo de pichadores ou Claudia? Em comum, personagens obstinados em ocupar espaços para os quais não foram convidados.

INVASORES - trailer from Raiz Distribuidora Audiovisual on Vimeo.

Rede Brasil AtualInvasores
Direção: Marcelo Toledo
Co-direção de cena: Paolo Gregori
Produção e produção executiva: Fernando Andrade
Roteiro: Ana Paul
Direção de arte: Maíra Mesquita
Direção de fotografia e câmera: Miguel Vassy
Direção de som: Gustavo Nascimento
Direção de produção: Toni Domingues
Produção de elenco: José Bosco e Silva
Elenco: Emanuela Fontes, Maxwell Nascimento, Rita Batata, Fábio Neppo, Raíssa Gregori, Karina Barum, Maurício de Barros, Gabriela Rabelo, Wilma de Souza, Dhenyze Iwhone, Washington Lins, Fernando Andrade
Gênero: ficção/drama
Duração: 82 minutos


Estreia
Quando:
quinta-feira, dia 21, às 20h30
Onde: Cine Caixa Belas Artes
Rua da Consolação, 2423
Mais informações: (11) 2894-5781

comentários do blog alimentados pelo Disqus