Você está aqui: Página Inicial / Educação / 2018 / 06 / Professores protestam contra desistência de donos de escolas de cumprir acordo

Em São Paulo

Professores protestam contra desistência de donos de escolas de cumprir acordo

Categoria havia aceitado proposta do sindicato patronal para manter convenção coletiva, mas entidade voltou atrás e não assinou. Docentes realizarão assembleia amanhã
por Redação RBA publicado 05/06/2018 11h59, última modificação 05/06/2018 13h28
Categoria havia aceitado proposta do sindicato patronal para manter convenção coletiva, mas entidade voltou atrás e não assinou. Docentes realizarão assembleia amanhã
arquivo/ebc
greve professores.jpg

TRT convocou uma reunião entre os sindicatos hoje, às 13h, para tentar resolver a situação. 'Recuo é inaceitável', diz Sinpro-SP

São Paulo – Os professores da rede privada de São Paulo realizarão ato nesta terça-feira (5), no Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), contra a falta de acordo com o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado (Sieeesp). A manifestação é pelo fato de a entidade patronal ter voltado atrás em relação ao acordo firmado com o Sindicato dos Professores (Sinpro-SP), na última quinta-feira (31), de que manteria a convenção coletiva da categoria. 

Em entrevista à Rádio Brasil Atual, a diretora do Sinpro Silvia Barbara explica que a categoria organiza o ato público para pressionar o setor patronal pela assinatura do acordo. "O TRT convocou uma conciliação entre as duas partes para decidir a situação hoje, às 13h. Esse recuo (da entidade patronal) é inaceitável, um desrespeito aos professores."

Na última quarta-feira (30), após paralisação dos docentes, o Sieeesp apresentou proposta que garantia a manutenção da convenção coletiva por um ano, mais reajuste salarial de 3% e participação nos lucros e resultados (PLR) de 15%. Em assembleia, os professores aceitaram, mas mantiveram o estado de greve, pois aguardavam a assinatura do acordo.

"Eles (Sieeesp) voltaram atrás, mas a categoria continua em estado de greve. A negociação foi concluída pouco antes da assembleia entre os dois presidentes dos sindicatos, então apresentaram essa proposta aos 3 mil professores. Vamos fazer uma nova assembleia amanhã (6) e podemos deliberar greve", afirma Silvia. Ainda de acordo com a diretora do Sinpro, pais e alunos estão manifestando apoio aos professores. "Muitas cartas estão sendo entregues para nós para as escolas assinarem os acordos."

Também na última quarta, a Associação Brasileira de Escolas Particulares (Abepar) divulgou nota propondo que o sindicato patronal aceite os termos da proposta aprovada pelos professores. A entidade, que representa 18 instituições de ensino privadas, pede a manutenção da convenção até 2020.