Você está aqui: Página Inicial / Educação / 2018 / 06 / Após acordo, professores da rede privada de SP conseguem manter direitos

São Paulo

Após acordo, professores da rede privada de SP conseguem manter direitos

Negociação garante ainda reajuste de 3% e Participação nos Lucros ou Resultados (PLR) de 15%
por Redação RBA publicado 07/06/2018 11h20, última modificação 07/06/2018 12h27
Negociação garante ainda reajuste de 3% e Participação nos Lucros ou Resultados (PLR) de 15%
Sinpro-sp
professores da rede privada

Em assembleia, professores aprovaram a proposta mediada pelo Tribunal Regional do Trabalho

São Paulo – Os professores da rede privada de São Paulo aprovaram uma nova convenção coletiva nessa quarta-feira (6). Mediado pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT), o acordo garante a manutenção de direitos, reajuste de 3% e Participação nos Lucros ou Resultados (PLR) de 15%. A assembleia foi realizada na sede do Sindicato dos Professores de São Paulo (Sinpro-SP).

Após cinco meses de luta e paralisações, o Sinpro-SP afirma, em nota, que a conquista não está apenas na convenção. "Os professores mostraram formas de organização que começaram nos locais de trabalho, ganharam as ruas nas aulas públicas e manifestações e encontraram unidade no Sinpro-SP. Afinal, uma assembleia com mais de três mil professores não é pouca coisa", celebra e entidade.

Na assembleia também ficou definido que, após a assinatura do acordo, a entidade vai iniciar novas tratativas salariais com o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado (Sieeesp) para a conclusão da próxima convenção com vigência a partir de 1º de março de 2019. "Agora, é nenhum direito a menos e outros direitos a mais", acrescenta o texto.

Para Silvia Barbara, diretora do Sinpro-SP, lutar para manter as cláusulas foi um ato de resistência contra a retirada de direitos que a reforma trabalhista impõe. "Que seja um exemplo de ato de resistência contra a nova legislação. É muito bonito ver esse nível de organização que começa nas escolas mas encontra unidade na luta sindical", afirma à repórter Ana Rosa Carrara, da Rádio Brasil Atual.

De acordo com o presidente da Federação dos Professores do Estado de São Paulo (Fepesp), Celso Napolitano, o encerramento da campanha salarial pode ser considerado uma conquista. "Uma grande vitória nossa foi colocar em pauta quais eram as nossas reivindicações em termos de manutenção de direitos para manter a qualidade de trabalho e ensino. O sindicato patronal tentou desqualificar o movimento, recuou na proposta construída. Essa nova convenção foi uma fincada no lugar em que estamos para ir à frente e conquistar mais condições de trabalho", disse. 

No último dia 30, após paralisação dos docentes, o Sieeesp havia apresentado uma proposta que garantia a manutenção da convenção coletiva por um ano com reajustes. Também em assembleia, os professores aceitaram, mas mantiveram o estado de greve, pois as escolas privadas não tinham assinado o acordo.

Ouça a reportagem da Rádio Brasil Atual