Você está aqui: Página Inicial / Educação / 2018 / 06 / Professores da rede particular avaliam proposta do TRT nesta quarta

Em São Paulo

Professores da rede particular avaliam proposta do TRT nesta quarta

Categoria realiza assembleia, às 18h, para avaliar proposta de reajuste salarial de 2,14% a partir de 1º de março, entre outros pontos apresentados pelo tribunal. Sindicato patronal aceitou
por Redação RBA publicado 06/06/2018 08h30, última modificação 06/06/2018 16h14
Categoria realiza assembleia, às 18h, para avaliar proposta de reajuste salarial de 2,14% a partir de 1º de março, entre outros pontos apresentados pelo tribunal. Sindicato patronal aceitou
sinpro-sp/divulgação
professores sinpro-sp

Protesto de professores da rede particular de ensino de São Paulo tornou público que escolas querem adotar 'reforma' trabalhista, desprezando a qualidade da educação

São Paulo – Os professores da rede particular de ensino no estado de São Paulo realizam nesta quarta-feira (6), a partir das 18h, assembleia para avaliar proposta feita ontem pelo Tribunal Regional do Trabalho do Trabalho de São Paulo (TRT-2) para pôr fim às mobilização da categoria por reajuste salarialNa audiência de conciliação entre representantes dos professores e das escolas (Sieeesp), na terça-feira (5), o desembargador-relator, Fernando Álvaro Pinheiro, apresentou proposta contendo reajuste salarial de 2,14% a partir de 1º de março, pagamento de participação nos lucros de 15% do salário bruto e pagamento dos dias parados mediante compensação, além de manutenção das condições estabelecidas até a véspera da data-base.

As partes se comprometeram a realizar assembleias para apreciação da proposta e deverão comunicar o resultado em um prazo de 24 horas das reuniões realizadas em São Paulo, e até a próxima quarta-feira (13), com relação às demais assembleias. O sindicato patronal informou na tarde de hoje que aceitou a proposta conciliatória.

Antes da audiência, os professores fizeram manifestação em frente a sede do TRT-2, motivados pelo fato de a entidade patronal ter voltado atrás em relação ao acordo firmado com o Sindicato dos Professores (Sinpro-SP), na última quinta-feira (31), de que manteria a convenção coletiva da categoria.