Você está aqui: Página Inicial / Educação / 2017 / 06 / Gestão Doria deixa sem leite crianças que se enquadram nas regras que criou

azedou

Gestão Doria deixa sem leite crianças que se enquadram nas regras que criou

Famílias denunciam que, mesmo com filhos que atendem os novos critérios impostos pela prefeitura para o programa Leve Leite, ainda não receberam o alimento nenhuma vez este ano
por Rodrigo Gomes, da RBA publicado 13/06/2017 09h18, última modificação 13/06/2017 13h46
Famílias denunciam que, mesmo com filhos que atendem os novos critérios impostos pela prefeitura para o programa Leve Leite, ainda não receberam o alimento nenhuma vez este ano
CC 2.0 / StckImages / Wikimedia
leite.jpg

Mesmo crianças matriculadas em escolas públicas e com famílias cadastradas em programas sociais estão sem ser atendidas pelo programa Leve Leite, reduzido e esvaziado pela gestão Doria

São Paulo – Famílias de baixa renda da capital paulista, cujos filhos estudam em escolas da rede municipal de ensino, não estão recebendo o leite que deveria ser distribuído bimestralmente pela gestão do prefeito da capital paulista, João Doria (PSDB). A Secretaria Municipal da Educação, gerida pelo secretário Alexandre Schneider, realizou um corte de 53% no programa Leve Leite no início do ano. A justificativa era "adequá-lo" e atender apenas crianças de até seis anos. No entanto, até o dia 7 de junho, somente 1,6% do orçamento destinado ao Leve Leite foi liquidado e as famílias reclamam de não receber o alimento.

A faxineira Rosângela Augusta dos Santos relatou que recebeu o benefício normalmente no ano passado. Sua filha de quatro anos é aluna do Centro de Educação Infantil Vila Maria Alta, na zona norte da cidade. "O leite está fazendo muita falta. Estou tendo de comprar e o dinheiro que podia usar pra outras coisas, quando era atendida pelo programa, gasto com isso", explicou. Rosângela, que está desempregada, é beneficiária do programa Bolsa Família, outro dos critérios estabelecidos pela gestão Doria para poder receber o benefício. Ela ainda tem outros três filhos, que agora não têm mais idade para receber o leite pelo programa municipal.

Na zona sul da cidade a situação é a mesma. A filha da vendedora Suellem Nayara Pereira, de seis anos, é aluna da Escola Municipal de Ensino Fundamental Olegário Mariano. A última vez que ela recebeu o benefício também foi no ano passado. "Não teve nenhuma explicação. Simplesmente não recebi mais. Eu até achava que tinha acabado o programa porque não vejo ninguém recebendo mais", afirmou.

A filha da dona de casa Célia Maria da Silva também recebeu o benefício até o final do ano passado. No entanto, sem qualquer aviso, o leite não veio mais. "Faz muita diferença para nós, porque agora a gente tem de comprar o leite e pesa no bolso. Parece pouco, mas é um custo que fica grande no orçamento de casa", explicou ela, que também é beneficiária do Bolsa Família.

Aloisio Mauricio/Fotoarena/Folhapress doria
João Doria: cortes de verbas e execução abaixo da esperada do Leve Leite

Além do corte no orçamento do programa, reduzido a R$ 147,3 milhões ante R$ 310 milhões em 2016, a gestão Doria ainda congelou 25% da verba restante, aproximadamente R$ 36,8 milhões. E até o dia 7 de junho, tinha liquidado apenas 1,6% do montante. No início do ano, a prefeitura informou que o programa iniciaria o atendimento até março.

A proposta da gestão Doria era que o programa passasse a atender 223 mil crianças nas unidades educacionais e outras 208 mil que seriam localizadas por meio de cadastros sociais, como o Bolsa Família. Até o ano passado, eram atendidas 916 mil crianças e adolescentes de até 14 anos, que tivessem frequência de pelo menos 90% das aulas. O limite de idade passou para 6 anos e 11 meses, para famílias com renda de até R$ 2.811. Além disso, a quantidade de leite (em pó) seria reduzida de dois quilos para um quilo por mês.

À época da mudança, a gestão Doria alegou ter consultado um grupo de organizações antes de definir os novos parâmetros do Leve Leite. A Fundação Abrinq, o Instituto Alana e o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), citados na nota emitida pela Secretaria Municipal da Educação, negaram que tivessem sido consultadas.

A Secretaria Municipal da Educação nega que esteja desassistindo famílias e diz que a entrega segue conforme o cronograma previsto.

"As entregas foram retomadas em março deste ano para os alunos que consomem a fórmula nas unidades de educação infantil e, em maio, para as crianças que recebem o produto em seus domicílios. Neste caso, os Correios fazem, por dia, cerca de 8 mil entregas que obedecem o CEP das famílias. Atualmente, são atendidos 254.507 alunos da rede municipal de ensino. Toda criança até seis anos e cadastrada no CADÚnico vai receber o leite.

"Sobre os casos citados na reportagem: Alice Beatriz dos Santos, filha de Rosângela Augusta dos Santos, tem direito ao benefício, porém há divergência entre seu cadastro no sistema da Secretaria Municipal de Educação e no CadÚnico. A responsável deve atualizar o cadastro da criança na unidade escolar ou no Centro de Referência da Assistência Social (CRAS), para regularizar a situação.

A criança Kawanny Fernanda Ferraz Correia, filha de Suellem Nayara Pereira, não se enquadra nos critérios para receber o benefício pois está matriculada no 1º ano do Ensino Fundamental. Apenas crianças até seis anos matriculadas no Ensino Infantil ou portadoras de deficiência matriculadas no Fundamental I recebem o leite."