Você está aqui: Página Inicial / Educação / 2016 / 12 / Violência da polícia marca votação do 'pacotaço' de Sartori no Rio Grande do Sul

porto alegre

Violência da polícia marca votação do 'pacotaço' de Sartori no Rio Grande do Sul

Ao longo desta segunda-feira (19), soldados da Brigada Militar avançaram contra a população disparando spray de pimenta e bombas de efeito moral; professores foram proibidos de entrar na Assembleia
por Redação RBA publicado 20/12/2016 10h03, última modificação 20/12/2016 12h05
Ao longo desta segunda-feira (19), soldados da Brigada Militar avançaram contra a população disparando spray de pimenta e bombas de efeito moral; professores foram proibidos de entrar na Assembleia
Twitter Sul21
violência sartori pacote.jpg

Policiais atiram spray de pimenta em manifestantes contra pacote que retira direitos de servidores gaúchos

São Paulo – A votação do chamado pacotaço de Sartori, conjunto de medidas de arrocho do governador do Rio Grande do Sul, José Sartori (PMDB), foi marcada pela violência ao longo desta segunda-feira (19). A Brigada Militar investiu contra os manifestantes, que acompanhavam do lado de fora da Assembleia Legislativa, em Porto Alegre.

O pacote inclui 26 projetos, entre eles a extinção de três secretarias – Esporte, Justiça e Direitos Humanos e Planejamento –, a extinção a Agência Gaúcha de Desenvolvimento e Investimento e medidas contra os direitos dos servidores, como o fim do prazo para o pagamento do 13º salário, a extinção da licença-prêmio, novas regras para o tempo de serviço e a suspensão da remuneração de trabalhadores cedidos a sindicatos.

Entre os protestos para pressionar os parlamentares estavam integrantes de diversas entidades sindicais, como o Sindicato dos Professores (CPERS).

"Enquanto a Assembleia discutia o pacote, tivemos ação da Brigada Militar. De forma covarde, agrediu os trabalhadores com bombas de efeito moral, gás de pimenta. À tarde acalmou, para em seguida virem com mais violência. A tática do governo é nos tirar da praça (da Matriz). Vamos continuar aqui acompanhando a votação”, disse a presidenta do CPERS, Helenir Aguiar Schurer.

A presidente da Assembleia Legislativa, deputada Silvana Covatti (PP), liberou apenas 80 senhas para todo o Movimento Unificado dos Servidores (MUS).

A Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul (Ajuris) criticou a ausência da população durante a votação do pacotaço. Em nota, a entidade afirma que a proibição do acesso à Assembleia Legislativa imposta pelo governo de Sartori “rompe a história e desrespeita a democracia”.

A nota ainda diz que os trabalhadores, por não aceitarem a desestruturação de suas vidas com a possível aprovação dos projetos de extinção do governo, foram recebidos com portas fechadas, grades, hostilidade e bombas de efeito moral.

A direção da CNTE divulgou nota em apoio aos professores e funcionários administrativos das escolas que estão em greve desde o último dia 13 contra as medidas do governo.

A votação segue ao longo da madrugada.

Com informações do Sul21