Você está aqui: Página Inicial / Educação / 2015 / 07 / 'Temos uma escola do século 20 para alunos do século 21', diz presidenta da Ubes

descompasso

'Temos uma escola do século 20 para alunos do século 21', diz presidenta da Ubes

Bárbara Melo fala da luta pela educação de qualidade, democracia e direitos da juventude
por Redação RBA publicado 30/07/2015 11h45, última modificação 30/07/2015 12h22
Bárbara Melo fala da luta pela educação de qualidade, democracia e direitos da juventude
reprodução/TVT
Bárbara

Bárbara: 'É muito importante a participação das mulheres, porque o machismo existe em qualquer lugar'

São Paulo – Bárbara Mello ocupa a presidência da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) desde o final de 2013, e seu mandato acaba no final deste ano. Em entrevista ao Seu Jornal, da TVT, ela conta como começou, na eleição do grêmio da sua escola, e afirma que o movimento estudantil é importante instrumento na luta por um país melhor, desde o esforço pela ampliação do financiamento para a educação até o fortalecimento da democracia.

Sobre a aproximação do movimento com partidos políticos, geralmente de esquerda, Bárbara vê com naturalidade, pois afirma que os jovens engajados nas entidades representativas "começam a entender que os partidos têm um papel na sociedade", mas garante que os não filiados têm a mesma voz. "O debate é em torno dos rumos que a entidade deve ter. Em torno de bandeiras, não em torno de partido".

Dentre as bandeiras defendidas pela Ubes, Bárbara aponta a necessidade de reformulação do currículo do ensino médio: "Nós temos uma escola do século 20, com professores formados em doutrinas do século 19, para alunos do século 21. A gente precisa mudar isso." Bárbara defende, ainda, a necessidade de ampliação da assistência estudantil, como forma de garantir a permanência do jovem na escola.

Bárbara também se posicionou contra as propostas de redução da maioridade penal, que tramitam no Congresso. "No momento em que muitos setores da sociedade querem retroceder, a gente está lutando para poder manter nossos direitos".

Sobre a preponderância das mulheres na liderança do movimento estudantil, com a presidência da União Nacional dos Estudantes (UNE) ocupada por Carina Vitral, que sucedeu Vic Barros, Bárbara brinca que "daqui a pouco vai ter cota para homens", mas afirma que a participação das mulheres é importante para que o ambiente nas escolas e universidades "seja cada vez menos machista e mais igualitário".

Confira a entrevista do Seu Jornal, da TVT:

registrado em: , ,