Você está aqui: Página Inicial / Educação / 2012 / 08 / Coordenadora admite que governo Alckmin não tem projeto para ensino médio noturno

Coordenadora admite que governo Alckmin não tem projeto para ensino médio noturno

Responsável por políticas públicas no setor informa intenção de diminuir aulas à noite: 'Não é nosso foco'; Especialista lamenta: 'São exatamente os mais pobres que ficam com o pior ensino'
por Sarah Fernandes, da RBA publicado 23/08/2012 17h34, última modificação 31/08/2012 18h11
Responsável por políticas públicas no setor informa intenção de diminuir aulas à noite: 'Não é nosso foco'; Especialista lamenta: 'São exatamente os mais pobres que ficam com o pior ensino'

“O foco é expandir o ensino integral diurno e diminuir as turmas da noite”, afirmou coodenadora da Secretaria de Educação de São Paulo (Foto: Ciete Silvério / Governo do Estado de SP)

São Paulo – A Secretaria de Educação de São Paulo não tem políticas para melhorar a qualidade do ensino médio noturno. O foco dos programas implantados pelo órgão, ao contrário, é ampliar o tempo de permanência na escola e aumentar a nota nas avaliações oficiais apenas das turmas que estudam durante a manhã e a tarde.

“O foco da nossa política pública está em expandir o ensino integral diurno e diminuir as turmas da noite”, afirmou a coordenadora do programa "Educação: Compromisso SP", Valéria Souza. “O noturno é um resumo do diurno e queremos reduzir a oferta nesse período”.  A declaração foi feita durante o seminário “Ensino Médio em São Paulo: políticas e experiências em debate”, promovido pela organização não governamental Ação Educativa. Valéria Souza é responsável pelo programa que reúne todas as políticas públicas do estado para a área. 

Quem tomou a palavra depois da colocação foi a professora da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, Maria Clara Dipiero, especialista em ensino noturno e em Educação de Jovens e Adultos, que assistia ao evento da plateia: “Então o estado não tem uma política para melhorar a qualidade da educação no período noturno?”. A resposta veio em seguida: “Não. Não é nosso foco”.

“Eles [integrantes da Secretaria de Educação] afirmam que ampliando a oferta e a qualidade durante o dia você diminui as turmas da noite, mas isso não é verdade, porque muitos alunos do noturno não estão lá não porque conseguiram vagas, mas porque precisam trabalhar”, afirmou Maria Clara, em entrevista após o debate.

Para a especialista, a decisão do governo privilegia as famílias com maior poder aquisitivo. “É uma postura típica da classe média, que pressupõe que o menino não vai trabalhar enquanto estuda, mas que não enxerga o trabalho também como algo formativo. É por meio dele, inclusive, que os jovens mais pobres conseguem acessar e usufruir da vida cultural da cidade”, afirma. “Isso não faz sentido: são exatamente os mais pobres, os que precisam trabalhar, que ficam com o pior ensino e não recebem atenção do Estado”, conclui a professora.

registrado em: