Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2018 / 06 / Em momento de resistência, trabalhadores da Caixa encerram congresso nesta sexta

luta

Em momento de resistência, trabalhadores da Caixa encerram congresso nesta sexta

Além das reivindicações trabalhistas, os bancários se organizam contra a ameaça de privatização
por Redação RBA publicado 08/06/2018 11h57, última modificação 08/06/2018 12h06
Além das reivindicações trabalhistas, os bancários se organizam contra a ameaça de privatização
Conecef
Conecef

Em campanha salarial, trabalhadores iniciaram ontem (7) o debate para definir a pauta de reivindicações

São Paulo –Trabalhadores da Caixa Econômica Federal encerram nesta sexta-feira (8), em São Paulo, o seu 34º congresso nacional, o Conecef. Além das reivindicações trabalhistas, os bancários preparam a resistência contra a ameaça de privatização do banco, anunciada pelo ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles, pré-candidato à Presidência da República pelo MDB.

Em campanha salarial, trabalhadores iniciaram ontem (7) o debate para definir a pauta de reivindicações e as estratégias de combate aos ataques promovidos pelo governo Temer. "A gente pretende que este congresso defina a organização do movimento, propostas de articulação a reivindicações para a Caixa Econômica, na defesa dos trabalhadores", afirmou Dionísio Reis, coordenador da comissão executiva dos empregados da Caixa.

A coordenadora do Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas, Maria Rita Serrano, alerta que desde 2014 o governo tem aplicado uma política de enxugamento do banco. "A Caixa já está com 15 mil trabalhadores a menos. Desde 2014, fechou 30 agências e pretende fechar mais 100. Você tem uma série de retiradas de direitos que já vem ocorrendo, além disso, haverá enfrentamento neste ano pois vence o nosso acordo coletivo", relata à repórter Michelle Gomes, da TVT.

"Estamos passando por um momento de ameaça sobre a existência da Caixa. Houveram várias mudanças, o estatuto do banco foi modificando, com a possibilidade de indicações de vice-presidente serem do mercado", denuncia o vice-presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), Sergio Takemoto.

Além disso, pré-candidatos na corrida presidencial, inclusive o ex-ministro Henrique Meirelles, tem se posicionado a favor da venda da Caixa. "Isso vai agradar o sistema financeiro privado. Se privatizar o patrimônio público todo, quem vai perder é a população brasileira, porque a Caixa sozinha financia 70% da habitação do país, além de ser uma operadora dos programas sociais", acrescenta Rita Serrano.

"Nós temos que enfrentar esse debate e resistir à privatização da Caixa, um banco público essencial para a economia do país e para a população de baixa renda. Ele tem uma influência positiva na vida do cidadão brasileiro, não pode ser privatizado e entregue ao capital especulativo", critica o ex-ministro da Previdência Carlos Gabas.

Assista à reportagem do Seu Jornal, da TVT: