Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2017 / 10 / Copom faz nova redução de juros, que vão a 7,5%

Sem surpresa

Copom faz nova redução de juros, que vão a 7,5%

Decisão, que foi unânime, já era esperada. Taxa básica está próxima de seu menor nível histórico
por Redação RBA publicado 25/10/2017 18h22, última modificação 25/10/2017 18h30
Decisão, que foi unânime, já era esperada. Taxa básica está próxima de seu menor nível histórico

São Paulo – Na penúltima reunião de 2017 e em decisão unânime, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central reduziu nesta quarta-feira (25) a taxa básica de juros para 7,5% ao ano. O corte foi de 0,75 ponto percentual, conforme esperado pela unanimidade dos analistas. Foi o nono corte seguido. Em pouco mais de um ano, a redução foi de 6,75 pontos, de 14,25% para 7,5%, perto do menor nível histórico (7,25%, entre 2012 e 2013).

Em termos reais (descontada a inflação), não há muita diferença. Em agosto do ano passado, o IPCA acumulado em 12 meses estava próximo de 9%, enquanto a Selic era de 14,25%. Agora, a taxa básica foi para 7,5%, e a inflação oficial é de pouco mais de 2%, com previsão de fechar o ano em 3%.

"O conjunto dos indicadores de atividade econômica divulgados desde a última reunião do Copom mostra sinais compatíveis com a recuperação gradual da economia brasileira", diz comunicado divulgado ao término da reunião. "O Comitê julga que o cenário básico para a inflação tem evoluído conforme o esperado."

Para a Força Sindical, mantendo a "política de conta-gotas", o governo acerta no remédio, mas erra na dose. "Os trabalhadores almejam por uma queda drástica na taxa de juros. A taxa Selic continua extremamente proibitiva, e o Brasil perde outra chance de apostar no setor produtivo devido ao excesso de gradualismo e conservadorismo de quem dirige a economia no País. É sempre importante lembrar que menos juros representam mais empregos", diz a entidade, em nota.

A última reunião do Copom em 2017 será realizada em 5 e 6 de dezembro, e a aposta majoritária é de menor ritmo nos cortes da taxa básica.