Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2016 / 02 / Mensalidade escolar, transporte e alimentos pressionam inflação em SP

Em janeiro

Mensalidade escolar, transporte e alimentos pressionam inflação em SP

Índice do Custo de Vida, calculado pelo Dieese na capital paulista, variou 1,8% no primeiro mês de 2016. Em 12 meses, alta é de 10,96%, com maior peso para famílias de menor renda
por Redação RBA publicado 12/02/2016 12:04, última modificação 12/02/2016 12:09
Comments
Índice do Custo de Vida, calculado pelo Dieese na capital paulista, variou 1,8% no primeiro mês de 2016. Em 12 meses, alta é de 10,96%, com maior peso para famílias de menor renda
Arquivo ABR
escola

Mensalidade escolar, livros e materiais tradicionalmente puxam altas de preços no início do ano

São Paulo – O Índice do Custo de Vida (ICV), calculado pelo Dieese no município de São Paulo variou 1,80% no primeiro mês de 2016, pressionado por itens como mensalidades escolares, tarifa de transporte coletivo, combustíveis e alimentos. Em 12 meses, o ICV chega a 10,96%, com mais peso no orçamento de famílias de menor renda.

Entre os grupos que compõem o índice, três contribuíram com quase todo o resultado do mês (1,71 ponto percentual): Educação e Leitura (alta de 6,77%), Transporte (2,70%) e Alimentação (2,51%). "As mensalidades escolares foram reajustadas em janeiro, o que repercute em outros produtos e serviços", diz o Dieese, citando cursos formais (6,77%), livros didáticos (7,52%), cursos diversos (3,35%) e papelaria (1,92%).

O instituto lembra que vários itens ligados ao transporte coletivo tiveram reajuste em janeiro: ônibus intermunicipal (7,40%), metrô (6,46%), trem (6,43%) e ônibus municipal (5,76%). Segundo o Dieese, como o novo preço entrou em vigor a partir da segunda semana do mês, terá impacto parcial ainda em fevereiro. Também foram registradas altas dos combustíveis (2,15%), tanto da gasolina (1,59%) como do álcool (3,63%).

No grupo Alimentação, os legumes tiveram elevação de 26,51%, chegando a 34,88% no caso da abobrinha, a 32,61% no tomate, 21,46% no pepino e 13,74% no pimentão. Raízes e tubérculos subiram 14,69%, hortaliças aumentaram 7,88% e frutas, 5,04%. Nesse último item, destacam-se as altas de produtos como maracujá (28,15%), melancia (25,29%), maçã (14%) e laranja (7,92%). Nos grãos (3,23%), o preço do arroz subiu 1,30% e o do feijão aumentou 7,84%. Na área industrial, o Dieese cita várias altas, como as do açúcar (7,69%), bolo (3,83%), pão industrializado (3,80%), óleo (3,48%) e café em pó (2,47%).

No acumulado em 12 meses (10,96%), o grupo Habitação sobe 14,66%, com a energia elétrica atingindo 71,11%. O grupo Transporte varia 12,47% e Alimentação, 11,34%. A inflação continua subindo mais para famílias de menor poder aquisitivo. O estrato 1 do ICV, que contempla essa faixa, tem variação de 12%, enquanto o 2 (intermediário) sobe 11,38% e o 3, 10,57%.

comentários do blog alimentados pelo Disqus