Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2015 / 06 / Desemprego sobe em maio pela primeira vez desde os anos 1990

Mercado de trabalho

Desemprego sobe em maio pela primeira vez desde os anos 1990

Taxa na região metropolitana de São Paulo aumentou meio ponto, para 12,9%, na quarta alta seguida. Em 12 meses, são 186 mil desempregados a mais
por Vitor Nuzzi, da RBA publicado 24/06/2015 12h43, última modificação 24/06/2015 13h45
Taxa na região metropolitana de São Paulo aumentou meio ponto, para 12,9%, na quarta alta seguida. Em 12 meses, são 186 mil desempregados a mais
Edson Lopes Jr/A2AD
Posto de trabalho

Emprego com carteira, caiu 0,4% no mês passado, o correspondente a menos 24 mil postos de trabalho formais

São Paulo – A taxa de desemprego na região metropolitana de São Paulo aumentou meio ponto no mês e chegou a 12,9% em maio, segundo a pesquisa da Fundação Seade e do Dieese. Foi a quarta alta seguida e apenas a terceira vez na série histórica que a taxa subiu em maio – isso havia acontecido em 1990 e 1992. O número de desempregados foi estimado em 1,435 milhão, 68 mil a mais em relação a abril e 186 mil na comparação com maio do ano passado.

A ocupação até cresceu, ligeiramente, com 27 mil postos de trabalho abertos de abril para maio, variação de 0,3%. Mas não foi suficiente para absorver as 95 mil pessoas a mais no mercado de trabalho (acréscimo de 0,9%). Na comparação anual, a população economicamente ativa (PEA) teve acréscimo de 161 mil pessoas (1,5%), enquanto o mercado fechou 25 mil vagas (-0,3%).

Apenas em maio, o setor de serviços criou 26 mil postos de trabalho e a construção civil, 41 mil. Já a indústria de transformação eliminou 25 mil. Em 12 meses, apenas o setor de comércio/reparação de veículos cria empregos (25 mil).

O emprego com carteira, que até 2014 cresceu de forma ininterrupta, caiu 0,4% no mês passado, o correspondente a menos 24 mil postos de trabalho formais. Em 12 meses, cresce 2,7% (mais 141 mil). E o emprego sem carteira aumenta 2,8% no mês (21 mil) e cai 8,4% na comparação anual (70 mil a menos).

Na desagregação por área, a taxa subiu para 12,5% no município de São Paulo, para 12,7% na região do ABC e para 13,5% nos demais municípios da região metropolitana, com exceção da capital.

Estimado em R$ 1.916, o rendimento médio dos ocupados subiu 0,6% no mês (de março para abril) e caiu 8,8% em 12 meses.