Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2015 / 04 / Em abril, IPCA-15 volta a perder força, mas tem maior taxa desde 2003

IBGE

Em abril, IPCA-15 volta a perder força, mas tem maior taxa desde 2003

'Prévia' da inflação oficial passou de 1,24%, em março, para 1,07%, na segunda desaceleração seguida. Energia elétrica influenciou resultado. Acumulado em 12 meses foi de 8,22%
por Redação RBA publicado 17/04/2015 09h06, última modificação 17/04/2015 09h20
'Prévia' da inflação oficial passou de 1,24%, em março, para 1,07%, na segunda desaceleração seguida. Energia elétrica influenciou resultado. Acumulado em 12 meses foi de 8,22%

São Paulo – O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), "prévia" da inflação oficial, variou 1,07% em abril, abaixo dos dois meses anteriores (1,33% em fevereiro e 1,24% em março), mas teve a maior taxa para abril desde 2003 (1,14%). De acordo com o IBGE, que divulgou os resultados na manhã de hoje (17), o índice soma 4,61% no ano, acima de igual período de 2014 (2,91%). Em 12 meses, vai a 8,22%, maior taxa desde janeiro de 2004 (8,46%).

O maior impacto individual (0,45 ponto percentual) veio da energia elétrica, com alta de 13,02% nas contas, incluindo aumento na bandeira e reajustes extraordinários e contratuais.

Dois grupos – Habitação (3,66%) e Alimentação e Bebidas (1,04%) – responderam por 75,7% da taxa geral, com impactos de 0,55 e 0,26 ponto, respectivamente.

No primeiro, além da energia, houve aumentos em taxa de água e esgoto (1,05%), artigos de limpeza (0,93%), condomínio (0,87%), gás de botijão (0,82%), aluguel residencial (0,74%) e mão de obra pequenos reparos (0,74%).

Em alimentos, o IBGE destaca as altas da cebola (6,72%), alho (6,61%), ovos (5,49%), leite (4,96%), tomate (4,28%) e óleo de soja (3,68%).

Outros itens com alta nos preços foram passagem aérea (10,3%), serviços bancários (1,32%), telefone com internet (1,18%), empregado doméstico (1,12%), cabeleireiro (1,07%), vestuário (0,94%), conserto de automóvel (0,89%) e remédios (0,81%).

A região metropolitana de Curitiba teve a maior alta (1,79%), com aumentos de 20,17% na energia e 1,64% nos alimentos. O menor índice foi registrado em Recife (0,63%), com variação de 0,67% na energia elétrica. A segunda menor taxa foi de Salvador (0,67%).

O IPCA-15 foi de 1,25% para 0,95% na região metropolitana de São Paulo, de 1,10% para 1,28% no Rio de Janeiro, de 1,16% para 1,05% em Belo Horizonte, de 1,38% para 1,24% em Porto Alegre e de 0,82% para 1,48% em Brasília.

Os resultados do IPCA e do INPC deste mês serão divulgados em 8 de maio.