Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2015 / 04 / Com influência do setor automobilístico, produção industrial recua em fevereiro

IBGE

Com influência do setor automobilístico, produção industrial recua em fevereiro

Setor teve baixa de 1,7% no mês e de 30,4% na comparação com igual mês do ano passado
por Redação RBA publicado 01/04/2015 13h16, última modificação 01/04/2015 13h53
Setor teve baixa de 1,7% no mês e de 30,4% na comparação com igual mês do ano passado
David Alves/Palácio Piratini (19/11/2014)
Producao-industrial.jpg

De janeiro para fevereiro, IBGE registrou recuos nas 4 categorias econômicas e em 11 dos 24 ramos pesquisados

São Paulo – Depois de avançar 0,3% no mês anterior, a produção industrial recuou 0,9% em fevereiro, segundo informou hoje (1º) o IBGE. Na comparação com fevereiro do ano passado, a atividade do setor caiu 9,1%, a 12ª taxa negativa seguida nessa base de comparação – e a mais intensa desde julho de 2009 (-10%). Em 12 meses, a produção cai 4,5%, mantendo, segundo o instituto, trajetória descendente iniciada em março de 2014.

De janeiro para fevereiro, o IBGE registrou recuos nas quatro categorias econômicas e em 11 dos 24 ramos pesquisados. Algumas das principais influências negativas vieram dos setores de veículos automotores, reboques e carrocerias (-1,7%) – terceira queda mensal consecutiva –, produtos do fumo (-24%) e equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-4,2%).

Entre os 12 ramos com alta na produção, os destaques foram perfumaria, sabões, detergentes e produtos de limpeza (2%), indústrias extrativas (0,9%), produtos de metal (2,9%), produtos têxteis (4,6%), coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (0,6%) e máquinas e equipamentos (1,2%).

Na comparação com fevereiro de 2014, o instituto apurou "perfil generalizado de resultados negativos nas quatro grandes categorias econômicas, em 24 dos 26 ramos, em 66 dos 79 grupos e em 70,2% dos 805 produtos pesquisados", lembrando que fevereiro deste ano teve dois dias úteis a menos do que no ano anterior. Com queda de 30,4%, o setor de veículos automotores exerceu a maior influência negativa – houve retração de 97% dos produtos investigados nessa atividade, "com destaque para automóveis, caminhões, caminhão-trator para reboques e semirreboques, carrocerias para caminhões e ônibus, autopeças e reboques e semirreboques".