Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2014 / 08 / Taxa de desemprego em São Paulo se mantém estável em julho

Seade-Dieese

Taxa de desemprego em São Paulo se mantém estável em julho

Comércio e construção abriram vagas, indústria e serviços tiveram retração. Emprego formal mostra perda de intensidade
por Redação RBA publicado 27/08/2014 12h05, última modificação 27/08/2014 14h36
Comércio e construção abriram vagas, indústria e serviços tiveram retração. Emprego formal mostra perda de intensidade
reprodução
construção

Nível de emprego cresceu 4,7% na construção civil, com acréscimo de 35 mil vagas

São Paulo – A taxa média de desemprego na região metropolitana de São Paulo, medida pela Fundação Seade e pelo Dieese, ficou praticamente estável em julho e atingiu 11,4%, ante 11,3% no mês anterior, conforme pesquisa divulgada na manhã de hoje (27). O total de desempregados foi estimado em 1,257 milhão, 22 mil a mais – diferença entre o número de pessoas que entrou no mercado de trabalho (96 mil) e o de vagas que foram abertas (76 mil). Na comparação com julho de 2013, são 83 mil ocupados e 60 mil desempregados a mais. Os ocupados somam 9,771 milhões.

Entre os setores, o nível de emprego cresceu em comércio e reparação de veículos, com abertura de 100 mil vagas (6,3%) e na construção civil, com acréscimo de 35 mil (4,7%). Houve queda em serviços (-0,8%, com eliminação de 46 mil postos de trabalho) e na indústria de transformação (-0,4%, ou -7 mil).

Na comparação anual, os serviços crescem 2,3%, com 124 mil vagas a mais, e a construção, 7,6% (55 mil). O comércio cai 6,2% (-112 mil) e a indústria tem retração de -0,4% (-6 mil).

Também em relação a julho do ano passado, o emprego com carteira assinada mostra perda de intensidade, com alta leve, de 0,5%, o correspondente a um acréscimo de 25 mil vagas. O número de sem carteira sobe 3,3% (mais 27 mil), enquanto os autônomos crescem 2,8% (42 mil).

No mês (nesse caso, de maio para junho), o rendimento médio dos ocupados, estimado em R$ 1.869, caiu 2%. Em 12 meses, sobe 1,4%.

Pesquisa

A taxa média de desemprego das regiões metropolitanas não foi divulgada. O Dieese informou que houve "interrupção momentânea" de informações referentes à região metropolitana de Belo Horizonte e ao Distrito Federal.