Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2013 / 01 / Empresários do setor têxtil pedem regime diferenciado ao governo

Empresários do setor têxtil pedem regime diferenciado ao governo

por Mariana Branco, da Agência Brasil publicado 31/01/2013 18h11, última modificação 31/01/2013 18h12

Setor pede mais desoneração para a folha de pagamento (Foto: Arquivo/ABr)

Brasília - Representantes do setor têxtil estiveram hoje (31) com o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, discutindo um regime tributário diferenciado para a área. Segundo o presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), Aguinaldo Diniz Filho, os empresários pleiteiam ampla redução de tributos federais para o segmento das confecções.

Na segunda-feira (28), durante o Encontro Nacional com Novos Prefeitos e Prefeitas, Pimentel havia anunciado a intenção do governo de lançar estímulo nos moldes do Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica e Adensamento da Cadeia Produtiva de Veículos Automotores (Inovar-Auto) para outros setores da indústria.

De acordo com o presidente da Abit, tanto a indústria têxtil quanto as confecções foram beneficiadas com a desoneração da folha de pagamento, que é a substituição da incidência de 20% do INSS por 1% sobre o faturamento da empresa. No entanto, seria necessário desonerar ainda mais, argumenta. O empresário disse que o setor concluiu um estudo, o Regime Tributário Competitivo para Confecção (RTCC), que será apresentado em breve ao ministro.

Além da desoneração, foi discutida na reunião a questão da salvaguarda (proteção contra a importação de um ou mais produtos) para o setor de vestuários. A Abit entrou com pedido de salvaguarda no ano passado junto ao Ministério da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Exterior (MDIC). Segundo informações da associação, o setor têxtil investiu US$ 2,2 bilhões, pagou R$ 23 bilhões em salários e criou 1,7 milhão de empregos no ano passado.