Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2012 / 11 / IPCA-15 perde força em novembro; acumulado em 12 meses sobe

IPCA-15 perde força em novembro; acumulado em 12 meses sobe

por Vitor Nuzzi, da RBA publicado 22/11/2012 09h38, última modificação 22/11/2012 10h16

São Paulo – Prévia da inflação oficial, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) variou 0,54% em novembro, abaixo do mês anterior (0,65%) e acima de novembro de 2011 (0,46%). O resultado interrompe uma sequência de quatro meses de alta. Com isso, divulgado hoje (22) pelo IBGE, o acumulado deste ano chegou a 5,05%, ante 5,96% em igual período do ano passado. Em 12 meses, o IPCA-15 vai 5,64%, ante 5,56% nos 12 meses imediatamente anteriores.

De acordo com o instituto, a desaceleração de outubro para novembro foi causada, principalmente, pela alta menos intensa dos alimentos, cuja variação passou de 1,56% para 0,83%. "Os preços de produtos importantes no orçamentos das famílias cresceram menos, destacando-se o arroz  (de 11,91%, em outubro, para 6,63%, em novembro), óleo de soja (de 3,01% para 2,21%), frango (de 4,13% para 1,43%), pão francês (de 2,43% para 1,11%) e carnes", informou o IBGE. Os preços de alguns produtos caíram: cebola (de 9,97% para -8,79%), batata inglesa (de 19,23% para -4,45%), feijão carioca (de 4,66% para -2,36%), enquanto outros permaneceram em queda, casos de tomate (de -18,44% para -20,66%), cenoura (de -9,59% para -15,63%) e açúcar cristal (de -0,42% para -2,97%).

Despesas com habitação também perderam força, como a taxa de água e esgoto (de 1,32% para 0%), aluguel residencial (de 0,51% para 0,30%) e energia elétrica (de 0,67% para 0,09%), Com esses índices, o grupo passou de 0,72%, no mês passado, para 0,33%. Já o grupo Transportes foi de 0,11% para 0,47%, com altas da gasolina (de 0,06% para 1,37%) e das passagens aéreas (de 1,66% para 11,80%) – estas representaram o maior impacto individual do IPCA-15 no mês (0,06 ponto percentual).

Os artigos de vestuário subiram 1,40%, ante 1,05% em outubro, segundo o IBGE pela entrada da nova coleção. Entre os artigos de residência, os eletrodomésticos foram de 0,11% para 0,60%, enquanto TV, som e informática passaram de 1,48% para 0,23%. Despesas pessoais subiram 0,30%, ante 0,15%, com alta nos salários dos empregados domésticos (de -0,17% para 0,66% em novembro).

O maior índice foi apurado em Belém (1,25%), onde os alimentos subiram 2,79% – com impacto de 0,92%, foram responsáveis por 74% do total. O menor foi o de Goiânia (0,35%). Na região metropolitana de São Paulo, o IPCA-15 teve variação de 0,43% e no Rio de Janeiro, de 0,37%. Em Brasília, ficou em 0,55%.

O IPCA e o INPC deste mês serão divulgados em 7 de dezembro.