Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2012 / 10 / Área cultivada no Brasil cresce mais de 4% e chega a 68 milhões de hectares

Área cultivada no Brasil cresce mais de 4% e chega a 68 milhões de hectares

por Redação da Rede Brasil Atual publicado 26/10/2012 12h18, última modificação 26/10/2012 16h43

Produção de grãos cresceu 6,8% de 2010 para 2011, registrando safra recorde de 159,4 milhões de toneladas (Foto: Folhapress)

São Paulo – Alavancada pela soja, milho e algodão herbáceo, a área cultivada no Brasil em 2011 aumentou 2,8 milhões de hectares em relação a 2010, um crescimento de 4,3%, que totaliza 68,1 milhões de hectares plantados. Os dados são do levantamento Produção Agrícola Municipal (PAM), Culturas Temporárias e Permanentes, de 2011, divulgado hoje (26) pelo IBGE.

Segundo a pesquisa, que analisa 64 culturas em todos os municípios brasileiros, 48 produtos apresentaram variação positiva de produção e 36, variação positiva da área plantada, sendo que dez deles tiveram melhor produtividade que 2010.

O valor da produção agrícola alcançou R$ 195,6 bilhões, um crescimento de 27,1% em relação ao ano anterior, de acordo com os dados. Para o IBGE, o crescimento foi impulsionado, de maneira geral, pela elevação dos preços dos produtos agrícolas desde 2010, em razão do aumento da demanda ou da redução da oferta, tanto nos mercados interno quanto externo.

Entre os produtos que se destacaram no aumento do valor da produção estão a soja (34,9%); a cana-de-açúcar (38,6%); e o milho (46,4%). O café também obteve valorização da produção, de 40,1%, devido à alternância de anos de alta e de baixa produtividade, de acordo com o IBGE. 

A ocorrência de boas condições climáticas no final de 2010 e início de 2011 foi determinante para o bom desempenho de algumas culturas, segundo a pesquisa. Isso fez com que 23 das 64 culturas pesquisadas apresentassem recordes de produtividade média nacional, com destaque para a soja, o arroz e o feijão. 

Grãos

Os produtos da safra brasileira de grãos – algodão, amendoim, arroz, aveia, centeio, cevada, feijão, girassol, mamona, milho, soja, sorgo, trigo, triticale – registraram safra recorde em 2011, somando 159,4 milhões de toneladas. O valor representa um crescimento de 6,8% em relação a 2010, segundo dados da pesquisa Produção Agrícola Municipal.

O valor de produção dos grãos ficou em R$ 94,7 bilhões – o equivalente a um aumento de 32,7% em relação a 2010. O município de Sorriso, em Mato Grosso, alcançou o maior valor da produção de grãos, com receita de R$ 1,9 bilhão. São Paulo teve menor a participação no valor de produção de 2010 para 2011, passando de 18,3% para 17,7%.

A soja, mais uma vez, foi a cultura com o maior valor, respondendo por 25,7% (R$ 50,3 bilhões) do total da produção agrícola brasileira. Na avaliação do IBGE, os produtores expandiram as áreas cultivadas de soja atraídos por melhores preços, em detrimento do milho primeira safra – que é cultivado na mesma época. 

Por isso, a produção de milho cresceu apenas 0,5%, ficando praticamente estável em relação à 2010. A área plantada sofreu uma redução de 4,7% (617.803 hectares), de acordo com os dados. A redução da área, no entanto, foi compensada por uma melhor produtividade, devido às boas condições climáticas.

O arroz, mais uma vez, teve uma safra recorde de 13,5 milhões de toneladas – crescimento de 19,9% – devido a condições climáticas favoráveis. Essa produção elevada, proém, gerou uma forte depreciação dos valores pagos aos produtores, o que reduziu o valor da produção em 5,7%.

O feijão também apresentou um crescimento na sua produção de 8,8%, devido, principalmente, à expansão de 6,9% da área plantada, fruto dos bons preços alcançados no mercado.

Já a cana-de-açúcar registrou a menor expansão dos últimos seis anos, o que representa um crescimento de apenas 2,3% de 2011 para 2010, de acordo com o levantamento do IBGE. A produção total de cana-de-açúcar do país ficou em 427.364.854 toneladas, apenas 0,2% a mais do que o verificado na safra de 2010.

Com informações da Agência Brasil e do Jornal do Brasil