Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2011 / 05 / Diretor do BC prevê taxa de inflação próxima de zero em dois a três meses

Diretor do BC prevê taxa de inflação próxima de zero em dois a três meses

por Nielmar de Oliveira publicado 30/05/2011 18h40, última modificação 30/05/2011 18h58

Rio de Janeiro – A taxa mensal de inflação no país deverá ficar próxima de zero em um prazo de dois a três meses, disse nesta segunda-feira (30 ) o diretor de Política Monetária do Banco Central, Aldo Mendes, reafirmando que a prioridade é trazer a inflação para o centro da meta em 2012, depois de um período de alta influenciada pelos preços das commodities no mercado internacional.

“A taxa [de inflação] piorou nos últimos meses, com a forte tendência de alta das commodities, que influencia a alta dos alimentos e impacta o IPCA [Índice de Preços ao Consumidor Amplo]. Houve também a influência da alta do petróleo no mercado externo, que também traz reflexos sobre a taxa”.

Atualmente, no entanto, todos os indicadores sinalizam que a taxa está em queda, segundo o diretor do BC. “Principalmente os preços dos alimentos devem cair o que refletirá numa forte queda no curto prazo devendo-se manter em níveis próximo de zero em dois a três meses”, disse.

Aldo Mendes afirmou que o governo continuará usando a taxa básica de juros (Selic) como principal instrumento para conter a demanda e, consequentemente, exercer pressão sobre o mercado de modo a manter a inflação sobre controle.

Disse, ainda, que o Banco Central também continuará a adotar “medidas macroprudenciais” como expediente adicional para adequar os níveis do crédito à realidade do país e evitar o endividamento excessivo das famílias brasileiras. “Controlar o mercado de crédito, com mecanismos como o recolhimento dos compulsórios dos bancos em níveis mais elevados também são medidas que ajudam a manter a demanda sobre controle”.

Mendes citou como medida concreta neste sentido a decisão do BC de elevar o percentual de pagamento mínimo do cartão de crédito que passará de 15% para 20% , no próximo mês. Medida que permanecerá até o fim do ano.

Fonte: Agência Brasil

registrado em: ,