Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2011 / 03 / Novo protesto de trabalhadores paralisa obras em mais uma hidrelétrica. Desta vez, em Mato Grosso do Sul

Novo protesto de trabalhadores paralisa obras em mais uma hidrelétrica. Desta vez, em Mato Grosso do Sul

por Sabrina Craide publicado 25/03/2011 18h40, última modificação 25/03/2011 19h32

Brasília – Depois dos protestos de operários na Usina Hidrelétrica Jirau, no Rio Madeira (RO), que paralisaram as obras na semana passada, os trabalhos na Usina Hidrelétrica São Domingos, no município de Água Clara (MS), também estão parados por causa de um tumulto que começou quinta-feira (24) com uma briga no canteiro.

De acordo com a Eletrosul, responsável pelo empreendimento, um grupo de trabalhadores contratados pelo consórcio São Domingos, composto pelas empresas Engevix e Galvão, começou uma briga que provocou um incêndio nos seis pavilhões usados para alojamento dos mil trabalhadores da obra. Eles também atearam fogo no centro ecumênico, no refeitório, na guarita e no centro de inclusão digital.

Os trabalhadores da usina foram retirados do local e levados para alojamentos em municípios vizinhos, como Três Lagoas, Ribas do Rio Pardo e Campo Grande. A Polícia Militar foi ao local do tumulto e deteve cerca de 80 pessoas supostamente envolvidas no episódio. A Eletrosul também pediu o apoio da Secretaria de Segurança de Mato Grosso do Sul.

Nesta sexta-feira (25) a Eletrosul, a Polícia Federal, a Polícia Militar e o consórcio construtor estão no canteiro de obras para fazer o levantamento dos estragos. O Ministério de Minas e Energia, a Eletrobras, o Gabinete de Segurança Institucional e a Casa Civil da Presidência da República foram informados dos acontecimentos.

A usina, que terá potência de 48 megawatts (MW), começou a ser construída em junho de 2009 e a previsão é que ela entre em operação em 2012. O investimento total na obra, prevista no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), é de R$ 366 milhões.

Em Jirau, as obras na usina foram interrompidas por causa dos protestos dos trabalhadores, que resultaram na depredação do canteiro e no incêndio de alojamentos. Por medidas de segurança, as obras na Usina Santo Antônio, no Rio Madeira, a cerca de 120 quilômetros de Jirau, também foram paralisadas.

Fonte:Agência Brasil