Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2009 / 07 / Juros bancários devem cair mais, prevê economista

Juros bancários devem cair mais, prevê economista

Procon aponta sétimo mês de quedas nas taxas cobradas pelo sistema financeiro. Para diretor da Anefac, Andrew Frank Storfer, spread e lucro dos bancos vão ter de diminuir para ampliar crédito e compensar perdas de operações com títulos públicos
por anselmomassad publicado 16/07/2009 17h39, última modificação 16/07/2009 17h55
Procon aponta sétimo mês de quedas nas taxas cobradas pelo sistema financeiro. Para diretor da Anefac, Andrew Frank Storfer, spread e lucro dos bancos vão ter de diminuir para ampliar crédito e compensar perdas de operações com títulos públicos

Custo do dinheiro para o consumidor e para empresários tem queda muito menor do que a Selic (Foto: sxc.hu)

Estudo da Fundação Procon-SP aponta nova queda nas taxas cobradas de pessoas físicas em empréstimos bancários. Outro estudo, realizado pela Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), revelou ainda que as taxas dos bancos caíram 4% nos últimos seis meses, enquanto a Selic teve cortes de um terço.

Considerando a variação da taxa básica de juros (Selic) promovidas pelo Banco Central, a redução foi de 4,5 pontos percentuais, de 13,75% ao ano em dezembro/2008 para 9,25% ao ano em junho/2009. A taxa média para pessoa física apresentou redução de 6 pontos percentuais de 137,91% ao ano em dezembro/2008 para 131,87% ao ano em junho/2009.

O estudo da Anefac ressalta que, com taxas semelhantes ao período pré-crise financeira internacional, a tendência é de melhora nos próximos meses. Com indicadores de que o pior da crise já passou, a perspectiva de novos cortes na Selic e menor risco de inadimplência, a entidade aposta em juros em queda para o consumo e para a produção.

Para Andrew Frank Storfer, diretor de Economia, Banking e Finanças da Anefac, não é possível saber a partir de quando o custo do crédito para pessoas físicas e jurídicas terá cortes maiores do que a taxa definida pelo Comitê de Política Monetária (Copom) "A Selic é um dos componentes da formação dos juros finais, mas há tributos, riscos de inadimplência, o grau de incerteza de inflação nos próximos meses, o compulsório do Banco Central, os custos administrativos e o lucro", explica.

Storfer considera que o spread bancário deve cair com maior competitividade entre os bancos e a rentabilidade dos títulos públicos em queda, já que os percentuais pagos variam de modo mais próximo à Selic. "Uma piora nas operações de tesouraria leva os bancos a buscar outras formas de obter rentabilidade, como financiamentos e créditos de pessoas físicas e jurídicas", sustenta. "Com isso, vão ter de diminuir o spread e diminuir o lucro, que é uma fatia grande (das taxas cobradas)."

O diretor da Anefac lembra que os bancos importantes para a formação do crédito são poucos, o que forma uma espécie de cartel. "A concorrência não é tanta assim, e eles aproveitam esse espaço para terem bons lucros", analisa Andrew Frank Storfer. "Mas não se pode esquecer que existem os bancos sociais, como a Caixa Econômica Federal, em que o governo pode atuar para puxar as taxas para baixo", cobra.

 

Procon 

Nos empréstimos pessoais, a taxa média dos bancos pesquisados foi de 5,3% ao mês, contra 5,5% apurado em junho, decréscimo de 0,22 ponto percentual. No cheque especial, a média cobrada nos bancos pesquisados foi de 8,8% ao mês. As menores taxas para ambos os casos são da Caixa Econômica Federal, com 4,4% e 6,8% ao mês. As maiores são do Real/Santander (6%) e Safra (12,3%).

Confira a tabela completa do estudo (PDF).

registrado em: , ,