Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2009 / 05 / Emprego cresce, mas arrecadação do governo cai

Emprego cresce, mas arrecadação do governo cai

País contrata mais trabalhadores do que demite, mas receita pública tem sexta queda consecutiva
por anselmomassad publicado 19/05/2009 09h29
País contrata mais trabalhadores do que demite, mas receita pública tem sexta queda consecutiva

O Brasil apresentou, pelo terceiro mês seguido, aumento do nível de emprego segundo os resultados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho (Caged), divulgados na segunda-feira (18) pelo ministro do Trabalho Carlos Lupi. Foram 1,35 milhão de trabalhadores contratados diante de 1,24 milhão de demitidos. A arrecadação pública trimestral, porém, apresentou a sexta queda consecutiva.

Segundo o coordenador-geral de Estudos, Previsão e Análise da Receita Federal, Marcelo Lettieri, o ritmo de queda diminuiu, o que pode indicar o começo de uma recuperação, embora ainda seja cedo para falar que a pior fase da crise tenha passado. Se forem levadas em consideração apenas as receitas administradas pela Receita, a arrecadação fechou abril com queda real (descontada a inflação pelo IPCA) de 6,48% na comparação com o mesmo mês de 2008. O pior resultado havia sido registrado em fevereiro, quando a queda mensal chegou a 11,13%, também em termos reais.

Lettieri ressalta ser necessário esperar a divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre e o resultado da arrecadação em maio para confirmar a tendência. Além disso, é preciso considerar o resultado das desonerações de alguns setores promovidas pelo governo federal.

O conjunto dos indicadores levou o ministro da Economia Guido Mantega a afirmar que, apesar de poder ter havido recessão técnica no primeiro trimestre, quer dizer, três meses seguidos de retração da economia, já há sinais de que o país vai fechar o ano com crescimento positivo. "Tem gente que fica dizendo que vai ter recessão técnica", mas o que interessa é o que está ocorrendo agora no país, no mês de maio de 2009, disse o ministro. “Já estamos nos recuperando em todas as frentes.”

Emprego

Segundo Lupi, o país deve gerar “mais de um milhão de novas vagas” ao longo de 2009. Ele projetou ainda um avanço do Produto Interno Bruto (PIB) no ano de 2% a 2,5% no ano. “O principal sintoma de recuperação da economia é a empregabilidade. Onde há crescimento econômico há crescimento do número de vagas”, justificou.

No ano, é a primeira vez em que o número de novos empregados ultrapassa o de demitidos. Até então, o saldo de contratações era negativo.

Com informações da Agência Brasil

 

registrado em: ,