Você está aqui: Página Inicial / Cidades / 2013 / 01 / Sócio da boate Kiss, em Santa Maria, se entrega à polícia

Sócio da boate Kiss, em Santa Maria, se entrega à polícia

Mauro Hoffman, acompanhado de um advogado, se entregou à Polícia Civil da cidade por volta das 15h. Incêndio na madrugada de domingo provocou a morte de 231 pessoas
por Bruno Bochini e Alex Rodrigues/da Agência Brasil publicado 28/01/2013 19h30, última modificação 28/01/2013 19h39
Mauro Hoffman, acompanhado de um advogado, se entregou à Polícia Civil da cidade por volta das 15h. Incêndio na madrugada de domingo provocou a morte de 231 pessoas

Santa Maria/Brasília – O empresário Mauro Hoffman, um dos sócios da Boate Kiss, em Santa Maria (RS), se entregou na tarde de hoje (28) à Polícia Civil. Hoffman chegou à Delegacia de Polícia Regional pouco antes das 15h, acompanhado por seu advogado.

Após prestar depoimento, o empresário permanecerá preso por, no mínimo, cinco dias, conforme os quatro mandados de prisão temporária expedidos ontem (27) pelo juiz plantonista Régis Adil Bertolini, do Fórum de Santa Maria.

Mais cedo, a polícia já havia prendido em caráter temporário outras três pessoas envolvidas no incêndio: o empresário e também sócio da boate, Elissandro Callegaro Spohr; o vocalista da banda Gurizada Fandangueira, Marcelo de Jesus dos Santos; e o produtor do conjunto musical, Luciano Augusto Bonilha. A Gurizada Fandangueira se apresentava no instante em que o incêndio começou.  

Segundo o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, os quatro mandados de prisão temporária foram concedidos a pedido da Polícia Civil, para que os detidos não interferissem nas investigações. O delegado Marcos Viana informou à Agência Brasil que havia o receio de que alguns deixassem a cidade sem prestar depoimento.

Inicialmente, Hoffman, Spohr, Santos e Bonilha deverão ficar presos por cinco dias, mas o prazo pode ser prorrogado por mais cinco dias. Em nota, a assessoria do TJ-RS informou que o juiz Bertolini considerou não ser necessário, por hora, manter os dois empresários e os dois integrantes da banda presos por 30 dias, tempo máximo de prisão provisória.