Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2017 / 04 / Acidentes nas marginais continuam subindo após aumento de velocidade por Doria

Acelera?

Acidentes nas marginais continuam subindo após aumento de velocidade por Doria

Prefeitura alega que registros de acidentes aumentou por causa do reforço da fiscalização. Ativistas rebatem e alegam que a insegurança decorrente da elevação dos limites de velocidade já era prevista
por Redação RBA publicado 06/04/2017 10h55
Prefeitura alega que registros de acidentes aumentou por causa do reforço da fiscalização. Ativistas rebatem e alegam que a insegurança decorrente da elevação dos limites de velocidade já era prevista
reprodução/TVT
marginais

Acidentes nas marginais aumentam pelo segundo período consecutivo, segundo a CET

São Paulo – Entre 24 de fevereiro e 26 de março, foram registrados 117 acidentes com vítimas nas marginais Tietê e Pinheiros, em São Paulo. Segundo dados divulgados pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), o número é 10,4% maior em relação aos primeiros trinta dias após a elevação dos limites de velocidades determinado pela gestão do prefeito João Doria, quando foram 106 ocorrências com vítimasDesde o dia 25 de janeiro, os limites de velocidade subiram para 60 km/h nas pistas locais, 70 km/h nas vias centrais e 90 km/h nas vias expressas. 

Dos 117 acidentes registrados no último período, 93 envolveram motos, quatro pessoas foram atropeladas e dois motociclistas morreram. O aumento do número de acidentes já era previsto por ativistas de mobilidade, que se posicionaram contra o aumento do limite de velocidades e, agora, prometem aumentar a mobilização.

"São vários estudos internacionais e nacionais que mostram que era esperado que aumentasse o número de acidentes e, em decorrência disso, o número de vítimas. Porque a velocidade é um fator de risco. Não é que ela causa o acidente, ela se soma a outros fatores para aumentar a possibilidade de ter acidentes", afirma Rafael Calabria, ativista da Associação pela Mobilidade a Pé em São Paulo (Cidadeapé), em entrevista à repórter Ana Flávia Quitério, para o Seu Jornal, da TVT.  

A redução dos limites das marginais foi adotada pelo então prefeito Fernando Haddad (PT), em julho de 2015. Um ano após, os novos limites, o número de acidentes com vítimas caiu 37,5%. 

A gestão Doria alega que o aumento do número de acidentes se dá pelo reforço das equipes de fiscalização, argumento contestado pelos ativistas. "O argumento não faz sentido. Os acidentes que a CET pode não fiscalizar são os pequenos. Quando o acidente tem vítima, a CET é chamada", ressalta Rafael. 

A Associação Ciclocidade, que entrou na Justiça e conseguiu liminar, posteriormente derrubada, barrando o aumento dos limites, também lamenta a previsibilidade do aumento do número de acidentes. 

"Antes, o argumento era que nós tínhamos o receio de que, se implementados esses novos limites aumentaria o número de ocorrências e a lesividade dessas ocorrências. Agora, passado esses 30 dias, nosso receio, infelizmente, foi confirmado", afirma João Ferreira, advogado da Ciclocidade. 

A redução das velocidade é apoiada pela Organização das Nações Unidas (ONU), que recomendou a adoção do limite de 50 km/h em áreas urbanas para diminuir os acidentes e melhorar o fluxo do trânsito na cidade.