Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2017 / 03 / Contra LGBTfobia, Liniker canta versão alternativa de canção de Chico: 'Bendita Geni'

'não joga!'

Contra LGBTfobia, Liniker canta versão alternativa de canção de Chico: 'Bendita Geni'

"O Brasil é o país que mais mata travestis, transexuais, homossexuais e bissexuais no mundo. Isso tem que acabar. Basta. Só assim podemos nos redimir", afirmou a cantora durante apresentação
por Redação RBA publicado 03/03/2017 13h01, última modificação 04/03/2017 10h53
"O Brasil é o país que mais mata travestis, transexuais, homossexuais e bissexuais no mundo. Isso tem que acabar. Basta. Só assim podemos nos redimir", afirmou a cantora durante apresentação
REPRODUÇÃO/FACEBOOK LINIKER
liniker.jpg

Liniker apresentou versão alternativa da canção Geni e o Zepelim. 'Não joga (pedra na Geni)'

São Paulo – Com uma versão alternativa da canção Geni e o Zepelim, de Chico Buarque, Liniker se apresentou na noite de ontem (2) no programa Amor e Sexo da Rede Globo. Após cantar o primeiro verso da música, a banda começa o refrão: "Joga pedra na Geni!", e a cantora interrompe a banda. "Não joga!", impõem a artista que, após um segundos de silêncio, complementa. "O Brasil é o país que mais mata travestis, transexuais, homossexuais e bissexuais no mundo. Isso tem que acabar. Basta. Só assim podemos nos redimir." Após o protesto, Liniker encerra cantando "Bendita Geni!", diferente da canção original, que traz na letra "Maldita Geni".

Nas redes sociais do artista, diversas pessoas se disseram emocionadas com a música. "Esse é aquele tipo de coisa que eu posso assistir 50 mil vezes e as 50 mil eu vou me emocionar. Muito obrigado, Liniker", escreveu um dos internauta. "Que apresentação! Que fala... Eu fiquei toda arrepiada! NÃO JOGA!", acrescentou outra.

"Foi uma aula de amor, uma aula de representatividade, uma aula de inclusão... Foi lindo de ver! Ainda temos um longo e árduo caminho para percorrer, mas é sensacional fazer parte desse momento de revolução e transformação de uma sociedade! Ver as mulheres tomando o seu lugar de direito, vendo os gays,trans, cis, bis, pans deixando claro que eu papel na sociedade e impondo e exigindo o devido respeito.... Ainda não chegamos lá, mas estamos no caminho", disse um dos seguidores da cantora.

Assista: