Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2016 / 03 / Encontro de Mulheres Estudantes, da UNE, discute feminismo na internet

comunicação

Encontro de Mulheres Estudantes, da UNE, discute feminismo na internet

Contradições e potencialidades da rede são debatidos em mesa durante evento de estudantes, realizado em Niterói, que criticou também a lógica machista da mídia tradicional
por Renata Bars, da UNE publicado 27/03/2016 16h40
Contradições e potencialidades da rede são debatidos em mesa durante evento de estudantes, realizado em Niterói, que criticou também a lógica machista da mídia tradicional
Rebeca Belchior/Cuca da UNE
7eme.jpg

Graciela Natansohn: "Precisamos pensar uma internet feminista com mais mulheres na governança"

Niterói – “Chega de fiu-fiu”, “meu amigo secreto”, “meu primeiro assédio”. Diversas pautas feministas marcam presença nas redes sociais, denunciando casos de machismo e misoginia. Mas o que fazer para a internet se tornar um espaço realmente seguro para as mulheres?

Esta e outras questões foram discutidas na mesa “Cyberfeminismo: as redes, suas contradições e potencialidades”, que se realizou na tarde deste sábado (26) durante o 7º Encontro de Mulheres Estudantes (EME) da União Nacional dos Estudantes (UNE), na Universidade Federal Fluminense (UFF), em Niterói.

“Os meninos são ensinados desde pequenos a usar a tecnologia. Já as meninas não. Precisamos pensar uma internet feminista com mais mulheres na governança, mais mulheres que entendam de segurança nas redes e produzam conteúdo delas para elas”, falou a professora da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Graciela Natansohn.

Foi consenso entre as participantes que a democratização dos meios de comunicação é um passo importante para democratizar também a internet.

"O debate da comunicação feminista tem aparecido com frequência, mas essa onda ainda é muito invisível nesse processo. A internet ainda reproduz a lógica machista da mídia tradicional, por isso a democratização também é um importante passo”, ponderou a integrante da Marcha Mundial das Mulheres (MMM) Isabele Azevedo.

Integrante da Casa da Juventude no Rio de Janeiro, Marcela Lisboa destacou o papel que as redes sociais têm para “hackear” o patriarcado. "É fundamental produzir conteúdo, difundir mais as pautas feministas. Esse é o momento de compartilharmos nossas narrativas. É preciso estar organizada e se ouvir. Existe um outro mundo possível, por isso é importante a conexão da redes e das ruas”, disse.

A professora da UFBA alertou que o conhecimento é uma boa forma de se proteger na rede. “Ler os termos de privacidade, pesquisar sobre segurança na rede e utilizar softwares livres e criptografia é uma boa maneira de se proteger na internet”, disse.