Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2015 / 07 / 'Rádio ONU' destaca que país ultrapassa metas de redução da pobreza e da fome

inclusão

'Rádio ONU' destaca que país ultrapassa metas de redução da pobreza e da fome

Apesar de o Brasil superar os índices do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), regiões Norte e Nordeste ainda desafiam as políticas sociais do governo, diz especialista do Pnud
por Redação RBA publicado 27/07/2015 16h07, última modificação 27/07/2015 16h23
Apesar de o Brasil superar os índices do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), regiões Norte e Nordeste ainda desafiam as políticas sociais do governo, diz especialista do Pnud
Marcello Casal /ABr
pobreza extrema2.jpg

Pobreza no Brasil: meta é redução a 25%, enquanto políticas sociais buscam erradicação da fome

São Paulo – A especialista do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), Renata Rubian, afirmou que o Brasil conseguiu atingir os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODMs), em relação à pobreza e à fome. Em Nova York, Rubian disse em entrevista à Rádio ONU que o país buscou metas bem mais ambiciosas do que as determinadas pelas ODMs.

"Por exemplo, a meta de redução da pobreza no Brasil não é de 50%, a meta de redução do Brasil que o governo adotou é de reduzir a 25% a incidência da pobreza extrema. A meta de redução da fome no Brasil também não é de redução de incidência de 50%. É de erradicação da fome".

"O que a gente vê é que o Brasil já atingiu a meta internacional de redução da pobreza extrema, de US$ 1,25 (por dia de trabalho). Mas existem vários desafios que são as regiões do nordeste, as regiões do norte, onde a incidência de pobreza extrema ainda é um problema agudo e crônico."

Em relação aos países de língua portuguesa, ela citou resultados mistos. Rubian falou sobre a situação em Angola, Moçambique, Cabo-Verde, Guiné-Bissau e Timor-Leste, que registrou avanços no setor de saúde.

"O Timor-Leste ainda não atingiu a meta de redução de pobreza, mas a gente vê que o Timor é um sucesso, na verdade, na redução da mortalidade infantil e na melhoria da saúde materna. No caso dos países africanos, é uma situação complexa. A gente vê, por exemplo, Angola e Moçambique que têm um crescimento econômico astronômico. Angola, a gente sabe muito bem de todas as riquezas naturais, como diamantes e petróleo. Mas infelizmente, no caso de Angola e Moçambique, esse crescimento econômico não se traduziu em redução da pobreza."

'Em vários países, uma pessoa pobre tem acesso a um telefone celular mas não tem acesso a um banheiro, a um vaso sanitário. É um dado estatístico triste mas é a realidade.'

No caso da Guiné-Bissau, Rubian disse que o país enfrentou mais desafios devido à instabilidade política e acabou não registrando avanços na redução da pobreza.

No geral, a especialista do Pnud afirmou que o mundo conseguiu reduzir a taxa de pobreza de 36% em 1990, para 15% atualmente. Segundo ela, os grupos mais afetados pela pobreza extrema são as mulheres, os idosos, as pessoas com deficiências e as minorias étnicas.

Rubian disse que houve um avanço no plano global, em termos absolutos, mas quando analisados os dados agregados, os desafios continuam em várias áreas. No caso do objetivo 8, da parceria para o desenvolvimento global, Rubian explica que ele propõe mudanças em vários setores como o financeiro, principalmente no comércio internacional.

Ainda na lista estão negociações para o perdão da dívida externa de países, acesso a medicamentos e à tecnologia. "Em termos de tecnologia a gente pode dizer que essa é uma área de tremendo sucesso. A gente até compara. Em vários países, uma pessoa pobre tem acesso a um telefone celular mas não tem acesso a um banheiro, a um vaso sanitário. É um dado estatístico triste mas é a realidade. Em relação à telefonia celular foi um aumento enorme e temos 95% da população, a gente calcula, com acesso a um telefone celular."

Renata Rubian falou também sobre como a luta contra a pobreza e a fome e os esforços para o desenvolvimento se encaixam na nova agenda sustentável pós-2015, que será aprovada em setembro. A especialista do Pnud chamou a atenção para os princípios de sustentabilidade que vão estar incluídos no novo documento.

Ela citou o princípio da integração entre os fatores sociais, econômicos e ambientais e também o da universalidade, que tem duas dimensões. Rubian explicou que a agenda será aplicada a todos os países: desenvolvidos e em desenvolvimento e trará metas universais, como por exemplo, acabar mundialmente com a pobreza e a fome até 2030.