Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2015 / 02 / Deputada Sarah Munhoz quer prorrogação da CPI das universidades em SP

Assembleia Legislativa

Deputada Sarah Munhoz quer prorrogação da CPI das universidades em SP

Parlamentar do PCdoB diz que trabalho da comissão é maior do que o esperado e, em segundo lugar, segurança dos depoentes que se apresentaram como vítimas de violência teria mais garantias com adiamento
por Eduardo Maretti, da RBA publicado 06/02/2015 17h59
Parlamentar do PCdoB diz que trabalho da comissão é maior do que o esperado e, em segundo lugar, segurança dos depoentes que se apresentaram como vítimas de violência teria mais garantias com adiamento
Agência de Notícias/Assembleia Legislativa
SarahMunhoz_AdrianoDiogo

Adriano Diogo e Sarah Munhoz, presidente e vice da CPI, não estarão na próxima legislatura

São Paulo – A deputada Sarah Munhoz (PCdoB), vice-presidente da CPI que apura violência nas universidades do estado de São Paulo, defende que a comissão seja prorrogada para depois de 15 de março, quando acaba a atual legislatura e os mandatos do presidente do colegiado, Adriano Diogo (PT), e o dela própria.

Segundo ela, são duas as razões para a prorrogação. “A primeira é que a gente achava que (a apuração) seria menor. Ainda há muita coisa a fazer e muitos depoimentos a fazer”, afirma. “O segundo ponto é que fico preocupada com a segurança dos depoentes que fizeram as delações, como vítimas. Essas pessoas precisam de proteção. Algumas até já andam com seguranças.”

Se a CPI for prorrogada para depois do fim dos atuais mandatos, Sarah acredita que haja tempo para medidas legais ou jurídicas para garantir a segurança dos depoentes. O relatório da comissão que será apresentado em março será encaminhado ao Ministério Público, que pode começar a adotar medidas com base no documento.

Para a CPI ser prorrogada, segundo a deputada, é preciso que o presidente da Casa – cujo nome será definido no início da nova legislatura – dê encaminhamento favorável a uma moção com esse fim. Nem Sarah Munhoz nem Adriano Diogo poderão prosseguir nos trabalhos, caso a comissão seja prorrogada. A deputada do PCdoB não conseguiu a reeleição. Diogo tentou uma vaga na Câmara Federal, e não obteve êxito. Se a CPI for prorrogada, eles serão substituídos, mantendo-se a proporcionalidade de sua composição.