Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2014 / 06 / Voluntários vão documentar abusos policiais nos protestos contra a Copa em São Paulo

direitos humanos

Voluntários vão documentar abusos policiais nos protestos contra a Copa em São Paulo

Com câmeras e formulários, 40 'observadores legais' vão monitorar conduta da PM; ideia é produzir prova a favor de manifestantes e contra soldados que desrespeitam a lei
por Tadeu Breda, da RBA publicado 11/06/2014 13:36, última modificação 11/06/2014 13:49
Comments
Com câmeras e formulários, 40 'observadores legais' vão monitorar conduta da PM; ideia é produzir prova a favor de manifestantes e contra soldados que desrespeitam a lei
Midia Ninja
choque metro ninja.jpg

Choque reprimiu metroviários em greve na zona sul de São Paulo no início da semana; advogados querem evitar abusos

São Paulo – Além dos registros de jornalistas e pessoas que frequentam passeatas com câmeras e celulares, os manifestantes que marcharem amanhã (12) na zona leste de São Paulo, contra a realização da Copa do Mundo, contarão com uma equipe de 40 voluntários especialmente treinados para documentar e catalogar abusos policiais. O grupo foi formado a partir de inscrições na internet e recebeu capacitação dos Advogados Ativistas.

“Foram dois encontros com palestras, oficinas e aulas sobre os principais crimes que ocorrem durante os protestos: os delitos que costumam ser imputados aos manifestantes e os principais tipos de abuso policial”, explica Igor Leone, membro do grupo que tem acompanhado – e defendido – manifestantes contrários à realização do torneio da Fifa no país.

“Também orientamos sobre onde devem enfocar a atuação, por exemplo, se o manifestante é detido, devem anotar o nome da pessoa, a identificação dos soldados, a placa da viatura, o motivo da prisão e a delegacia pra onde está sendo levado.”

Para tanto, explica Leone, os voluntários trabalharão em duplas. “Um deles estará sempre filmando e fotografando, e outro, preenchendo um relatório elaborado por nós. É uma ficha com vários tipos de abusos: PMs sem identificação, uso desproporcional da força, revista vexatória, enfim, todas as arbitrariedades que costumamos ver nos protestos.”

Segundo Leone, o grupo está formado por estudantes, jornalistas, professores e outras pessoas acostumadas a frequentar manifestações em São Paulo. “Todos têm noção de onde estão e do que estão fazendo.”

Os Advogados Ativistas afirmam que enviarão ofícios para a Polícia Militar de São Paulo, Polícia Federal, Força Nacional, Forças Armadas e demais órgãos de segurança sobre a atuação dos voluntários nas marchas. “Eles também estarão identificados com coletes”, complementa.

Leone explica que, devido à natureza da atuação, ou seja, monitorar o cumprimento da lei, os voluntários são conhecidos como “observadores legais”. “Esse modelo já é usado na Europa e nos Estados Unidos”, conta. “Aqui houve tentativas anteriores de implementá-los há alguns anos, mas não deu certo. Agora, estamos trazendo essa ideia com tudo.”

O advogado ressalta que organizações de direitos humanos, como Anistia Internacional e Artigo 19, apoiam e acompanham a iniciativa. No final de cada protesto, o grupo irá publicar um relatório de atividades, que também será enviado à mídia nacional e internacional.

“Além da informação sistematizada, o material servirá como prova a favor dos manifestantes”, diz Leone, explicando o motivo da iniciativa. “A atuação dos advogados em campo é limitada. Temos que ir para a delegacia. Não conseguimos ficar no ato o tempo todo.”

Para o ativista, as imagens ajudarão, sobretudo, as pessoas que são presas sem ter cometido qualquer crime. “É o que acontece com a maioria”, lembra. “Em geral, a polícia realiza prisões por averiguação, aleatórias e massivas. O material servirá para que os detidos sejam liberados e também para que PMs que incorreram em abusos sejam punidos – o que ainda não aconteceu.”

Além dos observadores legais, qualquer pessoa poderá auxiliar na sistematização de abusos preenchendo um formulário na internet, fruto de uma aliança entre Advogados Ativistas, Artigo 19, Associação Brasileira dos Advogados do Povo, Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos, Conectas, Justiça Global, Rede de Comunidades e Movimentos contra a Violência, e Witness.

comentários do blog alimentados pelo Disqus