Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2013 / 06 / Manifestação contra aumento de tarifas ocupa ruas do centro do Rio de Janeiro

Manifestação contra aumento de tarifas ocupa ruas do centro do Rio de Janeiro

Protesto
por Vladimir Platonow, da Agência Brasil publicado 13/06/2013 19h06
Protesto

Rio de Janeiro – Mais um protesto contra o aumento nas tarifas do transporte urbano está sendo realizado neste momento no centro da cidade. A manifestação, convocada pelas redes sociais, reúne estudantes e trabalhadores e começou por volta das 17h de hoje (13), na Igreja da Candelária, no cruzamento das avenidas Rio Branco e Presidente Vargas, as duas principais da região central da cidade.

A passagem dos ônibus urbanos do Rio subiu, recentemente, de R$ 2,75 para R$ 2,95. Um grande contingente policial foi deslocado para a área do protesto, para tentar impedir tentativas dos manifestantes de parar o trânsito ou de depredar patrimônio público.

Entre os manifestantes, chamou a atenção o músico Bob Lester, que diz ter 100 anos de idade. Lester disse que se envergonha do país, onde só se pensa hoje com as Olimpíadas e a Copa do Mundo. "E o povo morre de fome e nas portas dos hospitais", ressaltou o músico. Para ele, a manifestação dos estudantes e trabalhadores é justa, mas não vai baixar o preço da passagem. "Isso só vai acontecer quando [os manifestantes] fecharem o movimento cedo, ao meio-dia, não agora, quando o pessoal quer ir para a casa.”

O estudante Vitor Alves dos Santos reclama que falta dinheiro para ele frequentar o curso pré-vestibular, pois o transporte compromete seu orçamento. “É quase impossível continuar estudando. Eu pego ônibus todos os dias para ir ao cursinho e já estou faltando há uma semana. Não está dando para continuar”, disse ele.

Para o técnico em meio ambiente Alexandre Oliveira, o problema é o direcionamento das verbas públicas. “Estamos lutando pela redução nas passagens porque é um aumento abusivo." Segundo Oliveira, desde 2004, os aumentos somam quase 400%. "Para a gente que ganha um salário mínimo, isso aí é uma covardia com o trabalhador.”

registrado em: