Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2013 / 06 / Corte de árvores em Porto Alegre acentua desafios de mobilização para movimentos sociais

Corte de árvores em Porto Alegre acentua desafios de mobilização para movimentos sociais

por Samir Oliveira, do Sul21 publicado 06/06/2013 12h06, última modificação 06/06/2013 12h09
Ramiro Furquim. Sul21
portoalegre_ramirofurquim_s.jpg

Embora com pautas divergentes, cidadãos têm se mobilizado para cobrar soluções e cativar mais pessoas

Porto Alegre – Desde o início deste ano, Porto Alegre tem assistido a pelo menos dois movimentos sociais que têm ido às ruas da cidade para protestar de forma constante. No final de janeiro, um grupo realizou a primeira marcha contra o aumento da passagem de ônibus. No início de fevereiro, teve início a mobilização contra o corte de árvores no Centro Histórico para ampliação das avenidas João Goulart e Edivaldo Pereira Paiva.

Esses movimentos realizaram diversos atos e intensificaram formas similares e distintas de organização e atuação. No plano institucional, decisões do Tribunal de Contas do Estado e da Justiça acabaram fortalecendo os atos contra o aumento da passagem – que modificaram a cobrança e passaram a exigir a redução da tarifa que estava em vigor antes do reajuste.

A repressão policial também acabou ampliando a adesão às manifestações. O maior ato ocorreu no dia 1 de abril, logo após o protesto do dia 27 de março, em que uma ativista foi presa dentro da prefeitura, vidros foram quebrados por militantes e a Brigada Militar disparou pelo menos cinco bombas de efeito moral no centro.

No que diz respeito à luta contra a remoção das árvores, o maior ato também ocorreu após a ação policial – no caso, em seguida à detenção de 27 pessoas que estavam acampadas na área verde ao lado da Câmara Municipal, na madrugada do dia 29 de maio. Entretanto, enquanto o movimento contra o aumento da tarifa de ônibus reuniu milhares – até dez mil, de acordo com ativistas – de pessoas nas ruas, a mobilização contra o corte de árvores não conseguiu ultrapassar a marca das centenas. Nesta reportagem, o Sul21 expõe a interpretação de diversos integrantes destes movimentos a respeito da organização, adesão e abrangência de suas mobilizações.

As duas constatações mais evocadas pelos militantes apontam que a diferença entre as pautas e o acúmulo de forças são fatores que ajudam a explicar a intensidade dos movimentos. Enquanto o combate à tarifa de ônibus toca diretamente o bolso da população, a oposição ao corte de árvores pode ter sido interpretada como algo mais restrito e localizado. Na visão de alguns ativistas, talvez tenha sido pouco dimensionado, inclusive pela mídia tradicional, que a pauta ambiental é muito mais ampla e envolve a luta contra um projeto de cidade.

Além disso, muitos observam que a luta contra o aumento das passagens ocorre todos os anos e, historicamente, nunca havia atingido os patamares logrados em 2013. O longo acúmulo e as experiências passadas teriam contribuído para o sucesso do movimento neste ano. “Eram poucas pessoas, mas muito mobilizadas e envolvidas com a causa”, resume um integrante do Ocupa Árvores, grupo de pessoas que ficaram acampadas durante mais de um mês para tentar impedir os cortes.

Ele avalia que a pauta tinha potencial para cativar a população – assim como a da passagem de ônibus –, mas que uma série de fatores contribuíram para não dar tanta força ao movimento. “As 115 árvores valem a luta por si só, mas, neste caso, eram o símbolo de uma crítica a um projeto de cidade. O acampamento despertava simpatia, outros grupos iam lá nos apoiar, motoristas diminuam a velocidade ao passar por lá e nos elogiavam. Mas tínhamos consciência de que, apesar de termos incomodado o poder público e pautado o debate, só conseguiríamos resistir ao corte criminoso e à realização da obra se fôssemos numericamente maiores”, comenta.

Formas de organização

Embora as pautas sejam diferentes, muitos ativistas apontaram semelhanças entre as duas reivindicações: ambas dialogam com soluções para a mobilidade urbana de Porto Alegre e surgem a partir de um comportamento restritivo do poder público. Muitos militantes que foram às ruas combater a ampliação das avenidas também estavam nas marchas contra o aumento das passagens.

Mas alguns fatores pesaram para que houvesse um refluxo de ativistas originários na luta contra o reajuste da tarifa de ônibus. “Vários articuladores do movimento estão sofrendo processos judiciais e sendo investigados pela polícia, isso leva o pessoal a ficar mais ressabiado”, aponta um militante anarquista e integrante da Frente Autônoma do Bloco de Luta pelo Transporte Público.

Outro fator que teria diferenciado os dois movimentos diz respeito à forma de organização. Ambos contaram com o apoio de diversos coletivos e organizações e fizeram uso das redes sociais para convocar e informar a população. Mas a mobilização contra o aumento da passagem contava com uma instância organizativa ampla e heterogênea, uma espécie de guarda-chuva que congregava os agentes envolvidos: o Bloco de Luta pelo Transporte Público.

“A condição para a vitória foi a unidade e organização que tivemos em torno do Bloco. Isso foi uma dificuldade enfrentada pela luta (contra o corte das árvores), que não conseguiu ter um espaço de frente única e de articulação entre as organizações. Mas não acho que esse seja o elemento central (para explicar a menor adesão)”, avalia Matheus Gomes, da coordenação do DCE da UFRGS e militante da Juventude do PSTU.
Engajamento institucional de entidades

A mobilização contra o aumento da passagem contou com a participação de diversos setores da sociedade. Entidades estudantis, coletivos anarquistas e autônomos, sindicatos, partidos políticos e pessoas que não integravam nenhum grupo compuseram as marchas. Entretanto, o movimento contra o corte das árvores careceu de um envolvimento orgânico de sindicatos, centros e diretórios estudantis e militantes partidários. Nas marchas contra a duplicação das avenidas, não se viam bandeiras do PSOL e do PSTU – os dois principais partidos que apoiaram o movimento contra o reajuste da tarifa.

“A pauta ecológica ainda não é muito abraçada pela esquerda. Outro fator é que estava ocorrendo o congresso da UNE e da ANEL e a prioridade dos partidos era lotar os ônibus com todos que conseguissem angariar”, aponta um militante anarquista do Bloco de Luta pelo Transporte Público.

Leia a reportagem completa na página do Sul21.