Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2013 / 05 / Haddad diz que violência na Virada ficou além do esperado, mas evita culpar PM

arrastões

Haddad diz que violência na Virada ficou além do esperado, mas evita culpar PM

Policiais não teriam agido para evitar roubos e agressões nas ruas do centro de São Paulo durante maratona de shows; balanço da operação mostra 28 pessoas detidas em flagrante
por Redação RBA publicado 19/05/2013 19h20, última modificação 20/05/2013 12h04
Policiais não teriam agido para evitar roubos e agressões nas ruas do centro de São Paulo durante maratona de shows; balanço da operação mostra 28 pessoas detidas em flagrante
Marlene Bergamo/Folhapress
Virada

Público acompanha atração da Virada Cultural 2013 em São Paulo. Episódios violentos podem ter sido aumentados por ação pouco eficaz do policiamento

São Paulo – Após um dia de indefinição sobre quem falaria a respeito dos episódios de violência ocorridos durante a Virada Cultural de São Paulo, o prefeito Fernando Haddad (PT) e a Polícia Militar concederam entrevista conjunta no final da tarde de hoje (19). Haddad disse que o total de ocorrências – roubos e agressões – ficou além do esperado, mas evitou polemizar com PM, que segundo relatos de frequentadores nas redes sociais e na imprensa, teria deixado de agir pra coibir os criminosos.

Uma primeira coletiva havia sido chamada pela Polícia na parte da manhã, mas foi adiada para o começo da tarde e depois cancelada. Isso teria ocorrido devido a gestões da prefeitura, que também recebera informações sobre a suposta negligência policial e queria participar a fala aos jornalistas.

"O que mais preocupou foi a segurança e episódios que ocorreram sobretudo na madrugada, das 2h às 6h. Recebemos mais ocorrências do que imaginávamos", disse Haddad, ao lado do coronel-tenente Reynaldo Simões Rocha, responsável pelas operações durante a Virada.  “De sexta-feira para sábado o índice de violência em São Paulo foi o mesmo de sábado para domingo. Vamos fazer uma avaliação para apurar o que aconteceu e depois tomar as providências necessárias", completou o prefeito.

Ele disse ainda que "do ponto de vista das atrações, tudo transcorreu na mais perfeita ordem” e que apenas dois shows tiveram problemas. “A diversidade e o respeito são pontos positivos. Foi uma das melhores Viradas de todos os anos", afirmou.

Ele negou que o cancelamento da primeira coletiva tenha se dado pro divergências com o comando da PM. Segundo Haddad, a prefeitura preferiu apenas apurar melhor os números antes de divulgá-los.

De acordo com a PM, foram registradas duas mortes Durant a Virada: uma pessoa baleada e outra vítima de parada cardíaca. Também houve 12 casos registrados de roubos e seis esfaqueamentos. Ao todo, 28 pessoas foram detidas em flagrante.

De acordo com o coronel-tenente Simões Rocha, houve ainda ocorrências de tráfico de entorpecentes, apreensão de armas de fogo e casos de excesso de bebidas alcoólicas. No total, 1.800 pessoas receberam atendimento médico e 260 foram removidas para hospitais.

Arrastões

A maioria dos casos de roubo aconteceu durante arrastões, em que grupos de cerca de 50 passavam agredindo e arrancado pertences dos frequentadores, sobretudo celulares e carteiras.

Uma das vítimas de roubo foi o senador Eduardo Suplicy (PT-SP), durante show de Daniela Mercury, que abriu a Virada na praça Júlio Prestes. O senador subiu ao palco e fez um apelo para que os ladrões devolvessem seus documentos, o que de fato acabou ocorrendo.