Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2012 / 02 / 'Não consigo recuperar minha dignidade', diz ex-morador do Pinheirinho

'Não consigo recuperar minha dignidade', diz ex-morador do Pinheirinho

Lino Guerreiro perdeu casa, bens materiais e emprego registrado. É o retrato de outras famílias de trabalhadores que moravam na comunidade e, um mês depois, ainda vivem na incerteza
por leticiacruz publicado 22/02/2012 12h02, última modificação 22/02/2012 15h46
Lino Guerreiro perdeu casa, bens materiais e emprego registrado. É o retrato de outras famílias de trabalhadores que moravam na comunidade e, um mês depois, ainda vivem na incerteza

Guerreiro aguardava há seis anos ser chamado em um programa habitacional da prefeitura (Foto: Danilo Ramos/RBA)

São José dos Campos - Há seis anos cadastrado em um programa habitacional de São José dos Campos (a 97 quilômetros da capital paulista), José Lino Guerreiro é um dos tantos que lamenta hoje a falta de moradia - 30 dias depois da reintegração de posse que expulsou 1.600 famílias do terreno do Pinheirinho.

Munido de documentos que comprovam suas perdas, o sem-teto relatou sua situação à Rede Brasil Atual. "Não tem mais ninguém da mídia para dar um apoio em um momento tão crítico como este, de incertezas", lamentou. Pai de seis filhos - sendo três crianças -, apresenta-se como um dos líderes do movimento dos moradores da comunidade expulsos de suas casas no último 22 de janeiro.

Lino Guerreiro mostra a lista de perdas de bens materiais: de automóvel a criação de animais (Foto: Danilo Ramos/RBA)

“Eu acho que não tenho mais capacidade de recuperar minha dignidade. Sempre trabalhei, minha esposa sempre trabalhou e ainda assim fomos tratados como bichos”, lamentou. Guerreiro saiu de casa com a roupa do corpo naquele domingo, às 4h15 da manhã. Em uma ficha da Defensoria Pública do Estado de São Paulo, preenchida por ele mesmo, uma extensa lista dos pertences perdidos, incluindo galinhas e patos que criava em seu quintal.

O computador que havia comprado para sua filha de nove anos também desapareceu após a reintegração. “Trabalhei dia e noite para não precisar pegar o que é dos outros. E ficou lá. Posso te garantir que foi extraviado no meio do caminho”, afirmou. Eletrodomésticos comprados no final do ano passado, e cujas parcelas ainda estão sendo pagas, foram igualmente perdidos. Guerreiro teve uma moto e um carro guinchados.

E pior: após faltar duas vezes ao trabalho para passar pela triagem da prefeitura que o encaminharia aos abrigos, foi demitido da madeireira onde estava empregado com carteira assinada.

Guerreiro aguarda o pagamento dos auxílios aluguel e mudança, no total de R$ 1 mil, assim como outras cerca de 140 famílias ainda abrigadas em locais indicados pela prefeitura. Os desabrigados queixam-se do aumento do valor dos aluguéis depois da desocupação do Pinheirinho - tornando a ajuda que recebem insuficiente para alugar um novo imóvel.

Leia mais
»Homens armados impedem “garimpo” e barram curiosos no Pinheirinho
»Comparato cobra responsabilização de juízes que autorizam reintegrações de posse
»Para Maria Rita Kehl, governo de São Paulo é prova de que dinheiro não traz progresso
»Comissão de Direitos Humanos da OAB que atuou no Pinheirinho é extinta pelo presidente da »entidade