Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2009 / 06 / MP pede suspensão de venda de brinquedos em lanchonetes

MP pede suspensão de venda de brinquedos em lanchonetes

Procurador do Ministério Público Federal em São Paulo afirmam que as promoções com brinquedos provocam criação abusiva de associações emocionais
por Reuters publicado 16/06/2009 10h32, última modificação 16/06/2009 10h32 © 2009 Thomson Reuters. All rights reserved
Procurador do Ministério Público Federal em São Paulo afirmam que as promoções com brinquedos provocam criação abusiva de associações emocionais

São Paulo - Acusando a venda de brinquedos com lanches em redes de fast-food de levar crianças a criar maus hábitos alimentares, um procurador entrou com uma ação nesta segunda-feira pedindo a suspensão de tais promoções em todo o país nas redes que incluem o McDonald's e Burger King.

O pedido foi feito em meio à preocupação global sobre a ligação entre fast-food e doenças como a diabetes e enquanto o Congresso norte-americano considera exigir que as redes de restaurantes exibam a quantidade de calorias em seus cardápios para ajudar a combater a obesidade endêmica.

O procurador Marcio Schusterschitz, do Ministério Público Federal em São Paulo, disse que as promoções com brinquedos levam crianças a comprarem alimentos altamente gordurosos pela "criação abusiva de associações emocionais" que as transformam em adultos consumidores de alimentos gordurosos.

Um juiz deve primeiro decidir se levará adiante ou não o processo contra a venda de brinquedos e refeições que incluem hambúrgueres ou nuggets de frango, batatas-fritas e refrigerantes feita pelo McDonald's, Burger King e Bob's.

"É preciso remover os brinquedos que são usados para alavancar a venda de comida que tem pouco valor nutricional", disse o pedido. "As refeições oferecidas são promovidas com o objetivo claro de aumentar o consumo juvenil de fast-food".

Um porta-voz do procurador disse que tentativas anteriores de regular os brindes em restaurante de fast-food, incluindo a venda separada dos brinquedos, reduziu o marketing das redes.

A Reuters não conseguiu contato com representantes das redes para comentar o processo.

 

registrado em: ,