Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Blog da Helena / 2016 / 11 / Após seu partido derrubar governo para se proteger, Jucá quer ressuscitar MDB

Blogs

passado

Após seu partido derrubar governo para se proteger, Jucá quer ressuscitar MDB

Mergulhado em denúncias de corrupção, após papel decisivo no ataque à democracia do país, partido que teve três presidentes sem voto ensaia adotar o antigo nome
por Helena Sthephanowitz publicado 28/11/2016 12h16, última modificação 28/11/2016 13h49
Mergulhado em denúncias de corrupção, após papel decisivo no ataque à democracia do país, partido que teve três presidentes sem voto ensaia adotar o antigo nome
Antonio Cruz / ABr
Juca.jpg

"Tem que resolver essa porra. Tem que mudar o governo para estancar essa sangria”

Talvez envergonhado por ter o terceiro presidente da República não eleito pelo voto (os outros dois foram Sarney e Itamar) e, desta vez, tendo subido ao cargo por meio de um golpe contra a democracia; talvez também por estar mergulhado em denúncias de corrupção de algumas de suas principais lideranças; cite-se ainda por ter o ex-governador Sérgio Cabral e Eduardo Cunha presos e por estar na mira da Lava Jato; e o que dizer da desgaste da falência do estado do Rio, que governa desde 2007? Talvez por tudo isso e mais um pouco, Romero Jucá anunciou no sábado (26), que o PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro) pretende mudar de nome, retornando ao nome antigo, MDB (apenas Movimento Democrático Brasileiro), usado de 1966 a 1979.

Jucá disse, em entrevista coletiva, que o assunto deve ser discutido em plenárias dos diretórios em todos os estados. Se aprovada, a mudança deve ser oficializada em dezembro para entrar em vigor em fevereiro de 2017.

A vida não anda mesmo fácil para o partido que um dia abrigou a resistência à ditadura instaurada no país após o golpe de 1964. A cada dia, correligionários e aliados de Temer vão aparecendo como protagonistas de novos casos de corrupção e desvios de recursos públicos

Na manhã da sexta-feira (25), enquanto Michel Temer lia carta de demissão do ministro da Secretaria de Governo e aliado de longa data, Geddel Vieira Lima – “Avolumaram-se as críticas sobre mim (...) Quem me conhece sabe ser esse o limite da dor que suporto. É hora de sair" –,  depois de vir à tona o escândalo de tráfico de influência em torno de um apartamento que comprara em uma aérea de preservação cultural e ambiental, em Salvador, a Polícia Federal (PF), também em Salvador, batia na porta de outro "grande amigo": o secretário e assessor do agora ex-ministro, Leonardo Américo Silveira de Oliveira, com um mandado de condução coercitiva. Ele é acusado pela PF de fraudar serviço de transporte escolar da criançada.

Leonardo – que também é presidente do PMDB da cidade baiana de Caetité, (indicado por Geddel para o cargo), ex-vereador, ex-candidato a vice-prefeito na chapa derrotada de Ricardo Ladeia (PSDB) na eleição deste ano – ocupa desde 29 de junho um cargo importante no governo Michel Temer, a subchefia de Assuntos Federativos da Presidência, na Secretaria de Governo (de Geddel), responsável pela relação com prefeitos.

Durante investigações da chamada Operação Vigilante, a PF concluiu que uma empresa de Leonardo, a Serbem Serviços e Locações, que presta serviço de transporte escolar na cidade de Malhada das Pedras, a cerca de 600 quilômetros de Salvador, cometeu uma série de delitos: desvios de dinheiro publico; fraudes em licitação para contratação de empresas vinculada a prefeitos, vereadores e gestores municipais; superfaturamento, por meio de adulteração de quilometragem percorrida e cobrança pela prestação de serviço de transporte nunca prestados, por exemplo, em dias sem atividade escolar, inclusive período de férias.

Segundo a investigação, o valor da quilometragem cobrada costumava ser mais do que o dobro da distância real percorrida. Relatório da PF afirma ainda que o prejuízo estimado aos cofres públicos da cidade é de mais de R$ 3 milhões

O mandado de prisão não chegou a ser cumprido porque Américo estava “descansando”, na cidade de Petrópolis (RJ). Mas ele prometeu se entregar hoje (28) na sede da PF em Salvador.

Apesar das denúncias envolvendo a dupla, é bem provável que Geddel e Leonardo continuem juntos. O primeiro deixou a pasta, mas não o governo. Saiu da cúpula do Executivo, com sua coleção de inquéritos no Supremo Tribunal Federal: sete, sendo dois da Lava Jato.

Continuará dando cartas no governo Temer, mas sem cargo. Em Brasília, correm conversas de que Geddel tem a promessa do presidente de voltar ao centro do poder aos poucos. Como Romero Jucá, que ficou 12 dias no Ministério do Planejamento e caiu após o vazamento do áudio de conversa dele com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado: "Tem que resolver essa porra. Tem que mudar o governo para estancar essa sangria”. Mas foi escolhido por Temer para ser o líder do governo no Congresso – cargo que dá a Jucá status de interlocutor do presidente para encaminhar projetos, negociações e votações de interesse do governo.

Nada mal para quem afirmou que só um golpe que derrubasse Dilma Rousseff "estancaria a sangria" que se anunciava.