Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Blog da Helena / 2014 / 03 / Programa partidário de TV de Campos pode ser sucesso de crítica, mas não de público

Programa partidário de TV de Campos pode ser sucesso de crítica, mas não de público

Ao ver a propaganda partidária do PSB com o governador de Pernambuco e Marina Silva, pensa-se até que foi feita por um marqueteiro infiltrado a serviço de Aécio Neves
por helena publicado 28/03/2014 12h37
Ao ver a propaganda partidária do PSB com o governador de Pernambuco e Marina Silva, pensa-se até que foi feita por um marqueteiro infiltrado a serviço de Aécio Neves
PSB
campos_divulga.jpg

O tom em preto e branco se somou ao desânimo nas falas de Marina e Campos

Colocar Eduardo Campos e Marina Silva dialogando no programa de TV do PSB, levado ao ar na quinta-feira (27), foi uma boa tentativa, válida para o governador de Pernambuco tentar receber transferência de votos da ex-senadora, mas, pelo resto do formato, não deu grande resultado.

A escolha de filmar em preto e branco e dar um formato de conversa intimista foi ousado, mas, à medida em que os dois foram falando, ficou um clima soturno, depressivo. Marina em alguns momentos parecia desanimada e abatida em preto e branco. A conversa literalmente mole de Campos dificultava prender atenção no conteúdo. Foi preciso assistir uma segunda vez para não perder a concentração. As falas críticas a Dilma Rousseff tampouco ajudam. Pelo contrário, fazem do programa algo pessimista, fatal para espantar qualquer eleitor.

Numa segunda vez, prestando mais atenção à estética, as imagens em preto e branco já parecem melhores. Mas a fala baixa de Campos, com um conteúdo pouco atraente, passou a imagem de malemolência. Nada bom para quem pleiteia um cargo que exige dinamismo, como a presidência da República. Além disso, nos momentos em que Campos e Marina criticaram Dilma na condução da economia, pareciam vizinhas faladeiras sem apresentar soluções.

Se compararmos a economia e os serviços públicos com um copo d'água meio cheio, onde o eleitor está interessado em eleger alguém que o encha mais, pelo que se viu na TV Campos não poderia ser o escolhido, pois passou os dez minutos só falando que o copo estaria vazio.

Ele também errou ao criticar a Petrobras pelo valor de mercado, um número que flutua, ora descendo, ora subindo, e interessa mais a quem quer comprar ou vender ações, se o governo não vai privatizar, não irá vendê-la, e não há por que mudar os planos futuros para mais do que dobrar a  produção de petróleo. Se houvesse crítica pertinente seria sobre o patrimônio líquido, mas esse indicador da empresa está adequado. Ao atacar a Petrobras desta forma inconsistente, o governador corre o risco de se queimar ao longo da campanha, quando Dilma apresentar novos equipamentos da empresa, como a própria refinaria Abreu e Lima, no estado do governador.

Resolvi assistir uma terceira vez, tirando o som. Dessa vez gostei. De fato a imagem preto e branco bem trabalhada tem seu valor estético, apesar de nem sempre funcionar para a atrair a atenção na TV aberta. Se Campos e Marina tivessem falado coisas mais interessantes,  possivelmente agradasse.

Assim, o filme pode até ser sucesso de crítica, pela estética, mas é difícil que seja sucesso de público.