Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Copa na Rede / 2014 / 05 / 100ª virada em copas será no Brasil. Relembre as 12 melhores

Blogs

Quem ri por último

100ª virada em copas será no Brasil. Relembre as 12 melhores

Até 2010, 97 dos jogos da Copa tiveram viradas. Seis deles em finais.
por Futepoca publicado 13/05/2014 14h30, última modificação 15/05/2014 10h24 CC-BY-SA 3.0
Até 2010, 97 dos jogos da Copa tiveram viradas. Seis deles em finais.
reprodução
uruguai50.jpg

Uruguai vira o placar da final contra o Brasil, em 1950. Inesquecível

Dos 772 jogos realizados nas 19 copas do mundo de futebol, 97 foram viradas. Um time fica em vantagem no marcador, cede o empate e ainda perde o jogo em 12,6% do total de partidas. Mantida a média, seis ou sete jogos da Copa no Brasil terminarão com reviravoltas no marcador, e ter-se-á ultrapassado a marca de 100 viradas em mundiais.

Divertido.

O mundial mais virado da história foi o de 2002, na Coreia do Sul e Japão. É verdade que os torcedores brasileiros que quiseram acompanhar os jogos tiveram de varar a madrugada para assistir a muitas das partidas. Mas o sentido aqui é de virada no placar: 9 das 64 partidas tiveram essa sorte.

De 1950 a 1966, nas partidas decisivas, a seleção que abriu o marcador terminou derrotada. Em 1970, o Brasil x Itália quebrou a escrita, que voltaria a ser repetida em 1974.

A mais recente partida do Brasil em copas, nas quartas de final contra a Holanda, a seleção canarinho tomou uma invertida de 2 a 1 e foi eliminada.

A triste memória não muda o bordão cheio de malícia das peladas pelo país, de que "de virada é mais gostoso". Então, o Futepoca oferece uma lista de 12 partidas inesquecíveis do gênero que precisam constar nos anais da história.

Confira a lista:

Brasil 1 x 2 Uruguai – final da Copa do Mundo de 1950

O Maracanazzo dispensa detalhamentos extensos. Parte do drama do episódio decorre justamente de o Brasil ter saído na frente, em um contexto no qual poderia empatar para ficar com a taça (era um quadrangular final). Diante de 174 mil pessoas, a equipe de melhor campanha marcou com Friaça, aos 2 do segundo tempo. Cedeu o empate aos 21, com Schiaffino, e levou o segundo com Ghiggia, o carrasco da vez, aos 34. A mácula foi profunda. Mesmo o algoz deu repetidas declarações solidarizando-se com o choro dos derrotados. Levaram o caneco.

Áustria 7 x 5 Suíça, quartas de final da Copa de 1954

Quatro anos depois, a Copa da Suíça teve duas viradas dignas de constar nos autos. A primeira envolveu uma derrota dos anfitriões contra os austríacos, nas quartas. Depois de abrir 3 a 0 no primeiro tempo, antes dos 20, tomou 5 em um intervalo de 10 minutos. Oito gols em 34 minutos. A partida viraria para o segundo tempo em 5 x 4, e terminaria em 7 a 5, na partida com mais gols da história.

Alemanha 3 x 2 Hungria – final da Copa do Mundo de 1954

O Milagre de Berna é tão dramático quanto o jogo decisivo da copa anterior. A sensação do mundial suíço era a Hungria, que tinha o melhor futebol da competição e veio favorita, contra os azarões da Alemanha Ocidental. Na primeira fase, um confronto entre as equipes havia terminado em 8 a 3 para a representação de Budapeste, que aterrissou na final invicta havia 32 partidas. Os húgaros fizeram 2 a 0 no primeiro tempo, mas cederam o empate e depois a virada. O episódio virou livro, filme e foi marcante para a história futebolística da Alemanha, à época em plena reconstrução após a Segunda Guerra Mundial.

Brasil 5 x 2 Suécia – final da Copa de 1958

De novo, na partida final, reviravolta. Na partida em que o Brasil largou seu complexo de vira-latas no futebol, foi a Suécia quem saiu na frente. Naquele 29 de junho de 1958, Vavá, Zagallo e Pelé fariam da taça do mundo nossa. A cena mais impressionante da partida é a do meia Didi, o craque da folha seca, indo até a meta defendida por Gilmar, recolhendo a bola e voltando calmamente ao centro do campo. Como dono do time, fez o que alguém precisaria ter feito. Mas, de azul, tinha uma calma que parecia avisar que tudo iria dar certo. E deu. (a íntegra, graças ao YouTube)

Brasil 3 x 1 Tchecoslováquia - final da Copa de 1962

E em uma quarta decisão consecutiva, virada. Os tchecoslocavos saíram na frente, com gol do meia Masopust, aos 15 do primeiro tempo. Antes que pudessem terminar de comemorar, aos 17, Amarildo, o possesso substituto de Pelé, empatou. Na etapa final, Zito e Vavá completaram a festa do bicampeonato.

Coréia do Norte 3 x 5 Portugal – quartas de final da Copa do Mundo de 1966

Os norte-coreanos eram os azarões da Copa da Inglaterra. Só o fato de terem alcançado as quartas de final já parecia inacreditável. Os portugueses traziam a vitória sobre o então bicampeão do mundo, o Brasil, que sequer passou da primeira fase. Mas até os crédulos no impossível se surpreenderam com os 3 a 0 abertos no placar pelos orientais antes dos 25 do primeiro tempo. A recuperação envolveu uma das maiores exibições de um atleta na história das Copas. O craque Eusébio, de origem angolana, fez quatro dos cinco tentos ibéricos, dois em cada etapa. Com o quinto, convertido pelo atacante Augusto, a representação lusitana foi à semi-final, contra os donos da casa. A seleção do país então governado por Kim Jong-un foi vítima de calúnia internacional, com o boato de que os jogadores haviam sido presos ao regressar. Um documentário "O jogo de suas vidas" de 50 anos depois, mostrou que foram recebidos como heróis. Aliás, quase o mesmo se viu em 2010.

Inglaterra 4 x 2 Alemanha – final da Copa do Mundo de 1966

Pela quinta copa seguida, em 1966, teve virada na final. A Alemanha Ocidental tinha melhor campanha e saiu na frente, com Haller, aos 12. Sofreu o empate seis minutos depois, com Hurst, e a virada aos 33 do segundo tempo. Weber empataria a 44 da etapa final. Na primeira prorrogação em finais, Hurst foi o autor dos outros dois. Mas a parte mais quente foi o terceiro tento, o primeiro durante a prorrogação. Em um chute do atacante inglês, a bola bateu no travessão e no gramado de Wembley, antes da linha da meta. O árbitro suíço Gottfried Vienst e o bandeirinha azerbaijano Tofiq Bahramov, porém, validaram o gol, em um dos erros mais famosos da história do futebol.

Alemanha Ocidental 3 X 2 Inglaterra – quartas de final da Copa de 1970

O troco alemão foi também um marco. E veio logo nas quartas da copa seguinte. A representação da terra da rainha parecia não tomar conhecimento do ressentimento germânico ao abrir vantagem de dois gols, com Mullery, aos 31 do primeiro tempo, e Peters aos cinco do segundo. Mas como a vingança é um prato que se come frio, foi preciso frieza dos bravos alemães, que não se renderam. O jovem Beckembauer, então com 20 anos, diminuiu aos 32 e Seeler empatou aos 31. Na prorrogação, Müller despacharia o English Team, na revanche.

Itália 4 x 3 Alemanha – semifinal da Copa do Mundo de 1970

Algozes nas quartas, os alemães foram as vítimas na semifinal da Copa de 1970. Mas com detalhes sórdidos. Logo a 8 minutos, a Itália saiu na frente, com Boninsegna. Sofreu o empate no último minuto de jogo, com Schnellinger, levando tudo para a prorrogação. Aos 4 do primeiro tempo extra, Müller virou. Os italianos iriam ainda buscar a revirada com o zagueiro Burgnich e com o meia Rivera, que havia entrado no lugar de Mazzola. Classificação inesquecível no estádio Azteca.

Alemanha 2 x 1 Holanda – Final Copa do Mundo de 1974

Em mais uma final de copa, a Holanda saiu na frente com um pênalti, aos 2 minutos. A exemplo de 1954, os alemães chegavam sem tanto brilho quanto os rivais. Apesar de sediar o evento, o Carrossel Holandês ou a Laranja Mecânica seduzia o mundo com jogo envolvente e inovador, taticamente, combinado ao talento de figuras como Cruyff. Após o gol, os anfitriões foram buscar a igualdade com Breitner, aos 25, e a virada aos 43 do primeiro tempo, com Müller. O bicampeonato germânico coroou o atacante, que sagrou-se então o maior artilheiro em copas - posto que perdeu para Ronaldo -, e Franz Beckenbauer, talentoso meia.

França 2 x 1 Croácia – Semifinal da Copa do Mundo de 1998

Depois de passar suando pelo Paraguai, nas oitavas, e pela Itália, nas quartas, os franceses fraquejaram quando sofreram gol de Suker, a um minuto da segunda etapa. O zagueiro Thuram fez a vez dos atacantes por duas vezes, aos 3 e aos 24 no Stade de France. Ao chegar a final, contra o Brasil, foi Zidane quem decidiu.

Brasil 2 x 1 Inglaterra – Oitavas da Copa do Mundo de 2002

Após uma primeira fase relativamente tranquila (com exceção da estreia), o Brasil encarou a Inglaterra de Beckham nas oitavas. Começou atrás, quando Owen marcou, aos 23 do primeiro tempo. Ainda na etapa inicial, Ronaldinho Gaúcho arrancou e achou Rivaldo livre para empatar. O mesmo Ronaldinho Gaúcho marcaria o segundo, virando o marcador logo aos 5 do tempo final, em uma cobrança de falta que enganou o goleiro Seaman -- para muitos, foi um frango mesmo. A dose extra de emoção veio com a expulsão do herói brasileiro no jogo.

Três referências para ler mais sobre viradas: Esporte Fino , Torcida Pop e GloboEsporte.

Faltou citar alguma?