Você está aqui: Página Inicial / Ambiente / 2018 / 03 / Fórum Alternativo Mundial da Água debaterá as ameaças da privatização

nas mãos do capital

Fórum Alternativo Mundial da Água debaterá as ameaças da privatização

Evento será realizado entre os dias 17 e 22, em Brasília, como contraponto ao Fórum Mundial da Água
por Redação RBA publicado 01/03/2018 14h13, última modificação 01/03/2018 14h17
Evento será realizado entre os dias 17 e 22, em Brasília, como contraponto ao Fórum Mundial da Água
Agência Brasil
água.jpg

Segundo o MAB, com a crise, o capitalismo tenta criar um grande mercado da água mundial

São Paulo – O Fórum Alternativo Mundial da Água (Fama) quer debater e mobilizar a sociedade em torno da defesa da água como um direto e não como mercadoria. O evento, que será realizado entre os próximos dias 17 e 22, é um contraponto ao Fórum Mundial da Água.

Gilberto Cervinski, da coordenação nacional do Movimento de Atingidos por Barragens (MAB), explica que a necessidade de criar um evento alternativo se dá pelo fato do fórum tradicional ser apoiado por governos e empresas que defendem a privatização. "Eles vão reunir empresas, bancos e o conjunto de especuladores que querem privatizar, além do serviço de saneamento, também os rios e aquíferos. Esse fórum acontece no Brasil porque é o maior território com água doce do mundo", critica em entrevista à jornalista Marilu Cabañas, na Rádio Brasil Atual.

De acordo com ele, entre os temas que serão debatidos no Fama está a contextualização da ofensiva do capital para a privatização do bem natural. Segundo o MAB, com a crise, o capitalismo tenta criar um grande mercado da água mundial.

"Ao estabelecer a propriedade privada sobre a água, ela passar a ser dominada pelas grandes empresas, criando um grande mercado mundial. Isso é uma das alternativas que eles encontram para acumular mais riqueza durante a crise", afirma Cervinski.

A partir deste ponto, ele destaca a importância de mobilizar a população por meio do debate. "Um dos pontos do evento será discutir qual será o projeto dos trabalhadores para a questão da água, sobre seu domínio, acesso, qualidade e tarifas. Ali será um espaço para articulação de luta."

Gilberto explica que o maior consumidor de água no mundo é o agronegócio e cita um exemplo de como este uso se torna prejudicial para o meio ambiente. "Eles consomem muito porque têm uma irrigação em grandes áreas. Hoje, o agronegócio tem cerda de 6 milhões de hectares de produção agrícola irrigada. Recentemente, na cidade de Correntina, na Bahia, uma região de nascente do Rio São Francisco, empresas se apropriaram dos rios e secaram tudo. Agora, a população não tem mais água", lamenta.

Ouça: